Com a saída do atacante Rodrigo Aguirre para o futebol equatoriano, Kieza e o jovem Igor Cássio passam a ser os únicos centroavantes do elenco do Botafogo neste início de temporada. Se depender do técnico Ricardo, a dupla ganhará “muita moral” nos próximos jogos do Fogão.

Mas ao mesmo tempo, o treinador alvinegro reconheceu, em entrevista coletiva nesta quarta-feira, a necessidade de reforços para o ataque e outros setores da equipe. Jogadores para as laterais, por exemplo, estão sendo analisados diariamente pelo departamento de futebol.

– O que a gente está fazendo e dar muita moral para o Kieza e Igor Cássio, atletas que ficaram, e vendo as possibilidades de reforçar o elenco. E quando eu falo em reforçar o elenco, não falo especificamente na posição do 9, mas o elenco como um todo – projetou.

Zé Ricardo também explicou como foi o processo de rescisão de contrato de Aguirre com o Glorioso. O uruguaio recebeu uma oferta da LDU e o Botafogo teve de liberar o atleta.

– Infelizmente a gente teve essa perda. O Aguirre foi uma situação da Udinese com o jogador. O Botafogo não teve muita coisa para fazer porque o contrato de empréstimo acabaria no meio do ano. A Liga de Quito (LDU) ofereceu condições melhores, a Udinese fez a solicitação ao Botafogo, o atleta demonstrou vontade de ir e o Botafogo ainda teria que pagar um valor à Udinese. Então, nesse contexto todo, acabou a saída dele acontecendo.