Autor de um dos gols na vitória do Botafogo sobre o Campinense, pela Copa do Brasil, na noite da última quarta-feira, na Paraíba, Rodrigo Pimpão abriu as portas de casa para o jornalista Thiago Asmar para uma entrevista especial ao canal Pilhado, no YouTube.

No bate-papo descontraído, o atacante do Fogão falou sobre seu passado na faculdade de Odontologia e revelou que fazia parte de uma banda de pagode. Sobre os dias atuais, explicou a ligação com o número 17, contou falou sobre sua amizade com o corneteiro Felipe Neto e fez uma leitura da “relação descontrolada” de amor e ódio com a torcida do Botafogo.

– A gente necessita muito do apoio deles. Quando os jogos estão cheios, você já chega ao estádio com outro clima, desde lá de fora com o ônibus chegando, a torcida passa aquele calor. A minha relação com a torcida do Botafogo vai muito para dentro de campo, num passe errado, num dia que você não está legal, quando erra um gol ou outra coisa. Mas quando você faz um gol, já muda a situação. Deu para ver isso na Libertadores e na Série B. Há um amor e ódio ao mesmo tempo que tem que ter um controle, porque aquilo às vezes te chateia muito e, querendo ou não, você acaba pegando umas coisas ruins. Pô, fiz tanto pelo clube e sou cobrado, criticado e xingado? Então tem que ter cabeça. Mas sei que eles estão do meu lado, eles querem resultado. Eu entendo o lado deles, então é momento – disse Rodrigo Pimpão.

Veja a entrevista completa no vídeo abaixo: