Questionado sobre o 13º gol sofrido pelo Botafogo em jogadas aéreas em 2018 (50% dos tomados no ano), o técnico Alberto Valentim preferiu não fazer comentários sobre a estatística. Segundo o comandante alvinegro, após a derrota para o Cruzeiro por 1 a 0 no Mineirão, ele não pode falar a respeito de números que antecedem sua chegada ao clube.

No entanto, o sucessor de Felipe Conceição reconheceu que a equipe deveria ter “marcado Dedé mais forte” e que precisa melhorar neste tipo de lance contra os próximos adversários.

– Eu não posso falar dos gols que o Botafogo tomou antes da minha chegada, não posso falar de números que não são meus. O time não precisa melhorar apenas na bola área, eu já falei, precisa melhorar tudo. Esse quesito, quando eu cheguei aqui, é uma coisa que falaram muito para mim, mas não posso falar de uma coisa que não estava aqui antes – afirmou.

Dedé fez o gol da vitória do Cruzeiro sobre o Botafogo no Mineirão

DE CABEÇA! Dedé subiu mais que Brenner e deu a vitória para o Cruzeiro (Foto: Reprodução/Rede Globo)

Botafogo de Valentim já sofreu 5 gols de cabeça

Se o Botafogo sofreu 13 gols que foram originados de jogo aéreo neste início de temporada, o Boletim do C.E contabilizou que cinco deles já foram sob o comando de Valentim. Liderando o Fogão à beira do campo desde 22 de fevereiro, quando o time estreou na Taça Rio, o treinador já viu a defesa ser vazada 19 vezes (26% de cabeça). Veja a relação abaixo:

Botafogo 0 x 1 Flamengo
Rodolfo

Botafogo 3 x 2 Vasco
Erazo
Riascos

Botafogo 2 x 1 Grêmio
Igor Rabello (contra)

Botafogo 0 x 1 Cruzeiro
Dedé