JEFFERSON: 2,5
Tem muito crédito, é ídolo, mas a falha no gol foi de um goleiro normal, não de Jefferson. Uma boa defesa no segundo tempo

ARNALDO: 5,0
Foi tímido no apoio e teve trabalho na marcação

CARLI: 5,0
Pouco exigido, tinha atuação razoável até sair por questão física

IGOR RABELLO: 5,5
Foi melhor que seu companheiro e mais firme pelo alto

GILSON: 6,5
Em muitos momentos, a melhor opção ofensiva do Botafogo. Mostrou velocidade e ímpeto, com boas ultrapassagens

MATHEUS FERNANDES: 5,5
Alternou bons lances com erros bobos. Precisa de mais regularidade

JOÃO PAULO: 6,5
Correu o campo todo, não se escondeu e tentou levou o time à frente

LEO VALENCIA: 5,0
Se esforça e luta, mas ainda não rendeu o esperado tecnicamente. Falta força no ataque

RODRIGO PIMPÃO: 5,0
Algumas boas jogadas com Gilson e diversos cruzamentos. Faz muito a função tática e esquece de jogar com a bola nos pés. Saiu vaiado

LUIZ FERNANDO: 5,5
Mostrou alguma qualidade, técnica e movimentação. Pode evoluir. Precisa ser mais participativo

BRENNER: 6,5
Perdeu um gol fácil, fez um de pênalti e deu passe para o empate. No geral, foi bem

MARCELO: 6,0
Foi firme e seguro, confiando em sua velocidade

EZEQUIEL: 6,5
Entrou colocando fogo no jogo, arriscando dribles, cruzamentos e ajudando na marcação

MARCOS VINICIUS: 6,5
Deu lucidez ao meio-campo e foi oportunista para empatar

RODRIGO LINDOSO: Sem nota
Entrou no fim

LUCAS CAMPOS: Sem nota
Pouco tempo para jogar

FELIPE CONCEIÇÃO: 6,5
Seu time teve dificuldades para criar e foi surpreendido. Mas mostrou virtudes e poder de reação

Fonte: Redação FogãoNET