Ex-presidente do Botafogo que obteve o Engenhão para o clube, Bebeto de Freitas questionou a interdição, ocorrido em março de 2013. Para ele, pode haver outros motivos, que não o laudo que apontava risco da cobertura cair.

– Essa questão do fechamento do Engenhão, a gente sabe que tem muita coisa por trás. Não podemos afirmar, pois não se tem prova. Eu assinei o convênio do Botafogo com o Engenhão. Naquele momento surgiu o problema da cobertura e o prefeito Cesar Maia pegou calculista. Temos o aval com responsabilidade dele. Já aconteceram várias ventanias depois disso, e está tudo lá. Se tem que arrumar ou não, não sei, não sou técnico. Mas quando assinamos, já tinha esse problema e o certificado em cima disso – afirmou ao Sportv.

O ex-mandatário preferiu não cravar que o estádio foi fechado para beneficiar a reabertura do Maracanã.

– Se foi fechado para que todos fossem para o Maracanã, porque se não o business não retornava, aí não tenho condições de afirmar nada.

Fonte: Redação FogãoNET