Com o orçamento de 2015 comprometido tanto pelo adiantamento de receitas quanto pela necessidade de quitar dívidas fiscais e trabalhistas, a volta dos jogos no Engenhão é considerada a luz no fim do túnel do Botafogo após a queda para a Série B. Além de devolver o “lar” ao time, e melhorar as atuais condições de treinamento, a liberação do estádio permitirá que o departamento de marketing do clube capte novas receitas.

A prioridade é um novo programa de sócio-torcedor, que promete injetar dinheiro diretamente na folha salarial do futebol. Atualmente, o clube é apenas o 19º em número de associados, atrás de Grêmio Osasco e Joinville. Haverá ainda oportunidade de aluguel de placas de publicidade, uso para shows e até a possibilidade da comercialização dos direitos sobre o nome do estádio. Como a primeira partida oficial de 2015 está marcada para 1º de fevereiro, contra o Boavista, pelo Carioca, ainda não se sabe se o Engenhão estará apto a receber a torcida do Botafogo e os planos da nova diretoria.

A prefeitura do Rio havia prometido entregar o Engenhão ao alvinegro em novembro. Em reunião há uma semana com o prefeito Eduardo Paes, no entanto, o novo presidente do clube, Carlos Eduardo Pereira, foi informado de que o consórcio que trabalha nas obras estabeleceu um novo prazo: março. Apesar disso, a RioUrbe, que é um órgão municipal, trabalha com outro mês-limite: janeiro.

Atualmente, as arquibancadas estão ocupadas por 34 torres de escoramento que aliviam o peso da estrutura montada para reforçar a cobertura. Com isso, 4.000 cadeiras foram retiradas e precisarão ser remontadas. Paralelamente, os sistemas de som e de iluminação, retirados durante parte das obras, já foram reinstalados em seus locais de origem.

Outra preocupação sobre o estádio é quanto às obras que serão necessárias para os Jogos Olímpicos de 2016. Com relação a isso, porém, as notícias que chegam são mais animadoras. Não haverá a necessidade de fechamento do estádio, seja para montagem de arquibancadas temporárias nos setores Sul e Norte ou mesmo para a troca da pista de atletismo, atualmente completamente deteriorada. Os eventos-teste para os Jogos serão só em 2016, o que também descarta a perda do estádio ao longo da temporada.

Fonte: O Globo Online