Durante a temporada, o Botafogo determinou o fim da concentração para jogos realizados no Rio de Janeiro. Porém, com a fase decisiva da equipe neste Campeonato Brasileiro a comissão técnica e alguns jogadores quiseram um maior período de retiro e adiantando em um dia a viagem para Curitiba, o que não ocorreu por falta de tempo e logística. Mesmo assim, foi proposto dormir em General Severiano, o que não aconteceu, já que metade do elenco não aceitou.

A comissão técnica era a favor de viajar na sexta-feira e com a negativa da diretoria propôs concentrar em General Severiano. Devido ao histórico dos atletas, que tiveram comportamento exemplar durante a temporada nesse sentido, nada pôde ser feito já que a vontade da maioria era permanecer em casa. Além disso, os salários dos jogadores voltaram a atrasar. O mês de outubro, que venceu no dia 20 de novembro ainda não foi quitado.

Por conta disso, o clima no vestiário, após a derrota por 2 a 1 para o Coritiba, no último domingo foi mais pesado do que o usual. Alguns jogadores, que apoiavam a decisão da comissão técnica reclamaram abertamente de não ter havido a concentração, o que gerou discussão. Era consenso, no entanto, que a decisão não afetou no rendimento do time no Couto Pereira.

“O clima no vestiário foi como deve ser. Nas vitórias ou nas derrotas, temos de ser diretos e procurar resolver as coisas. O vestiário do Botafogo sempre foi blindado para este tipo de situação e continuará sendo assim”, disse Bolívar no desembarque da equipe no aeroporto do Galeão, na Ilha do Governador.

Esse é o primeiro desgaste gerado no elenco na temporada, marcada por inúmeros capítulos negativos. A união sempre foi uma das principais características do time, que fechou ainda mais com os salários atrasados e a interdição do Engenhão. A divergência foi a primeira grande crise enfrentada no Botafogo internamente.

Para o último jogo do ano, o Botafogo ainda não tem uma definição do que poderá ocorrer. Existe a possibilidade de os jogadores se concentrarem a partir de sexta-feira, o que geraria problema semelhante ao da semana passada. A probabilidade aponta para que os jogadores se apresentem no domingo de manhã, almocem em General Severiano e sigam juntos para o Maracanã, onde medirão forças com o Criciúma.

Com a derrota para o Coritiba, o Botafogo se manteve 58 pontos, na quinta colocação. Com as derrotas de Goiás, com 59, e Atlético-PR, com 61, o Alvinegro chega à última rodada com chances de classificação para a Libertadores, mas terá que torcer contra os rivais e vencer o Criciúma, no Maracanã.

Fonte: UOL