Botafogo inicia ‘indenização’ para ‘parceiros’ do Engenhão

Compartilhe:

Aos poucos, o Botafogo tenta se reorganizar após o baque pela interdição do Engenhão e o primeiro passo já foi dado. O Alvinegro encontrou uma forma de “indenizar” os donos de camarotes e publicidades no estádio, que pagaram antecipadamente pelos espaços e devem ser reembolsados. As empresas Herbalife e Viton 44 receberam espaços no uniforme alvinegro e assim começaram a ser ressarcidas pelo grande prejuízo.

Com a política de compensação, a Herbalife ganhou a aplicação da marca na parte de trás do calção de jogo e na frente do calção de treino. Já a Viton 44 recebeu o direito de expor a marca Guaravita nas costas da camisa de jogo. O número de partidas com a ação é variável e flexível de acordo com as necessidades do clube.

Outras empresas parceiras do Engenhão poderão aparecer em breve no uniforme alvinegro ou em outros espaços comerciais disponibilizados pelo clube. Para o diretor de marketing da Herbalife Brasil, Jordan Rizetto, a solução dada pelo clube é satisfatória.

– O Botafogo tem se mostrado muito aberto ao diálogo, buscando encontrar soluções criativas e que atendam as necessidades da empresa. Somos parceiros do Botafogo e entendemos que temos de estar ao lado do clube neste momento – disse Jordan.

CLUBE SEGUE EM SILÊNCIO

Todo o trabalho do Botafogo sobre a questão do Engenhão tem sido feito em silêncio. Inclusive, o clube ainda não se pronunciou publicamente sobre o tempo de 18 meses no qual o estádio ficará fechado para consertos na cobertura. A previsão foi dada pela prefeitura do Rio de Janeiro em 7 de junho.

A promessa inicial era de que a diretoria alvinegra falaria poucos dias após a divulgação do tempo de reparo. Porém, agora já não há mais previsão de pronunciamento.

Internamente, a política alvinegra está efervescente. Nesta segunda-feira, o grupo de oposição “Mais Botafogo” iniciou coleta de assinaturas de conselheiros para convocação imediata de reunião do Conselho Deliberativo para debater profundamente sobre o Engenhão, também cobrando que o clube pense em mover ação contra a prefeitura.

Há uma semana, a prefeitura ordenou o início imediato das obras no estádio, repassando a responsabilidade para os consórcios construtores da arena. No entanto, nenhum outro passo foi dado depois.

BATE-BOLA

Jordan Rizetto, diretor de marketing da Herbalife Brasil

1. Como a empresa recebeu a notícia sobre o prazo de 18 meses de fechamento do Engenhão?

Com surpresa, pois as primeiras informações davam conta de prazos mais breves para a reabertura do estádio. Entretanto, entendemos que corre-se um risco à integridade dos espectadores/torcedores, e isso deve ser protegido, acima de qualquer outro interesse.

2. Além do espaço no uniforme, o Botafogo cedeu algo a mais?

Sim. A Herbalife entrou nos backdrops de jogo, de viagem e do CT de General Severiano. Também há a instalação de duas placas com a marca no campo de treino do Engenhão e duas placas no campo de treino em General Severiano.

3. Haverá alguma indenização na Justiça por parte do Botafogo?

As compensações já são uma forma de indenização pelo ocorrido. A parceria é vantajosa e mesmo este imprevisto não é empecilho para que ela continue.

Fonte: Lancenet!

Comentários