A 34ª rodada foi coincidentemente um capítulo marcante tanto para Botafogo quanto para Criciúma no Campeonato Brasileiro. O primeiro, depois de 29 rodadas seguidas no G-4, caiu para o quinto lugar. E o segundo, após 12 rodadas no Z-4, respirou ao subir para a 15ª posição. O capítulo final da história dos dois será escrito neste domingo, quando ambos se enfrentam às 17h (de Brasília), no Maracanã.

Na última rodada, o Bota tenta voltar às primeiras colocações e garantir vaga na Libertadores pela primeira vez depois de 1996. Para isso, precisa vencer e torcer para o Atlético-PR perder para o Vasco ou o Goiás tropeçar no Santos. Se ficar em quarto lugar, ainda dependerá que o Lanús derrote a Ponte Preta na final da Sul-Americana. Os cariocas somam 58 pontos, contra 59 de goianos e 61 de paranaenses.

O Criciúma, ao que pese o jogo fora de casa, tem uma missão aparentemente mais tranquila. Em 15º lugar com 46 pontos, precisa de um empate para garantir a permanência na Série A sem depender de outros resultados. Mas, mesmo se perder, só cairá se for ultrapassado por Coritiba (45 pontos) e Vasco (44).

Os canais PremiereFC 1 e PFC HD 1 transmitem a partida para todo o Brasil, por meio do sistema pay-per-view. Você pode acompanhar também, em Tempo Real com vídeos exclusivos, no GLOBOESPORTE.COM.
header as escalações 2

Botafogo: a grande novidade para este duelo é a volta de Lodeiro ao posto de titular. O uruguaio vinha sendo utilizado no banco, mas teve boas atuações ao entrar no time. Além dele, Renato volta no lugar de Marcelo Mattos. Elias, que lutava contra um problema na coxa esquerda, treinou nesse sábado e foi liberado. A provável formação para este domingo é: Jefferson, Edilson, Bolívar, Dória e Julio Cesar; Gabriel, Renato, Lodeiro, Seedorf e Rafael Marques; Elias.

Criciúma: Lins, principal jogador da equipe, passou a semana em tratamento de entorse no joelho esquerdo e se recuperou. O mesmo não ocorreu com o volante Henik, que será substituído por Bruno Renan. Para a vaga do suspenso Fábio Ferreira, que também não poderia enfrentar o clube que o emprestou, a solução foi simples: entra Matheus Ferraz. O Criciúma joga com Galatto; Sueliton, Ewerton Páscoa, Matheus Ferraz e Marlon; Serginho, Bruno Renan, João Vitor e Ricardinho; Lins e Wellington Paulista.
quem esta fora (Foto: arte esporte)

Botafogo: não há suspensos ou machucados para esta partida. Apenas o meia Cidinho não está liberado porque está em fase de recondicionamento físico.

Criciúma: o zagueiro Fábio Ferreira não pode enfrentar o Bota por cláusula de empréstimo ao Tigre e também está suspenso. O volante Elton cumpre suspensão. O também volante Henik voltou a sentir a coxa direita no último treino em Santa Catarina e foi vetado. Também estão fora o zagueiro Leonardo e o meia Morais, sem condições, segundo o departamento médico. O segundo já se despediu dos companheiros na sexta-feira.

header o árbitro (Foto: ArteEsporte)

Paulo Cesar de Oliveira (SP) apita o jogo, auxiliado por Altemir Hausmann (RS) e Pablo Almeida da Costa (MG). O árbitro já atuou em dez partidas neste Brasileiro, sendo uma delas do Alvinegro. Ele tem média de 3,4 cartões amarelos aplicados e já expulsou quatro jogadores. Paulo César já marcou três pênaltis e assinala 29 faltas em média. O campeonato tem média de 4,3 cartões amarelos e 0,3 cartões vermelhos. São 34,7 faltas em média por partida e 0,2 pênalti por confronto.

header_estatisticas (Foto: arte esporte)

Botafogo: com a necessidade de vencer e torcer por tropeços de Goiás e Atlético-PR para chegar ao G-4, o Alvinegro terá pela frente o clube catarinense, que ainda luta para fugir do abismo. O mando de campo é um fator que acalma os cariocas, que têm aproveitamento bem superior dentro de casa (64,8% como mandante, contra 40,4% como visitante). Na história do duelo no Brasileiro, o Botafogo nunca perdeu para o Tigre em casa: são dois jogos, com uma vitória (1 a 0, em 1996) e um empate (1 a 1, em 2004).

Criciúma: time invicto há mais tempo na Série A (seis jogos), o Criciúma vai em busca de um empate para se garantir na Primeira Divisão em 2014. Em duelos contra equipes do Rio, o Tigre foi um desastre: perdeu seis e venceu só uma – 3 a 2 sobre o Vasco, no Heriberto Hülse. Já conquistou cinco vitórias como visitante e, apesar de marcar muitos gols (49), tem a segunda defesa mais vazada (60 gols sofridos), o que pode facilitar a vida do Bota, quarto ataque mais positivo, com 52 gols.

Fonte: Globoesporte.com