O presidente do Botafogo Carlos Eduardo Pereira confirmou que o clube terá indenização por conta das cadeiras quebradas no Nilton Santos no último domingo (30), no clássico entre Fluminense e Vasco. O mandatário, em entrevista exclusiva à Rádio Transamérica, confirmou também a permanência do chileno Gustavo Canales, que pode ficar de fora da lista dos inscritos da Copa Libertadores, neste primeiro momento da competição.

A semana é decisiva para a temporada de 2017. O Botafogo acabou deixando de lado o Campeonato Carioca e foca todas as atenções na principal competição do continente. Apesar das cadeiras quebradas, a expectativa é de que na quarta-feira (01/02) todos os ajustes no Nilton Santos já tenham ocorrido. Carlos Eduardo Pereira se mostrou muito tranquilo e confirmou que esta era uma cláusula no contrato de aluguel do estádio.

– Olha, isso já é previsto antecipadamente. Qualquer dano com as torcidas das equipes que estão jogando, ou que jogaram no estádio, elas são as responsáveis e isso é abatido da cota que as equipes tenham a receber. É um tiro no pé do torcedor que acha que vai causar algum tipo de prejuízo ao Botafogo, o fato é que está causando prejuízo ao seu próprio clube – falou.

Sobre a situação de Canales, Carlos Eduardo Pereira revelou que o clube pretende sim manter o atleta, apesar de neste início de ano o chileno ainda não ter entrado em campo em nenhuma oportunidade, fato que o deixou de fora da lista de inscritos do Carioca e aumentando a possibilidade de ficar de fora também da lista da Libertadores. Segundo o dirigente, o atleta só sai de General Severiano com proposta.

– Só se houver uma proposta de algum outro clube, aí poderemos analisar. Mas ele tem um contrato com o Botafogo até o final de 2017, e entendo que vá cumpri-lo, a não ser que tenha algum problema físico ou recebamos alguma proposta de outra equipe – disse, o presidente, ainda esclarecendo a situação.

– Não é uma questão de desejo, é uma questão de contrato. O Canales tem um contrato com o Botafogo até 31 de dezembro e contratos são para serem cumpridos.

Confira os outros pontos da entrevista de Carlos Eduardo Pereira à Rádio Transamérica:

Expectativa em relação a estreia na Libertadores

– A expectativa é a melhor possível. Está tudo preparado, o estádio Nilton Santos, apesar de alguns danos sofridos no jogo de ontem, estará em perfeitas condições para receber a torcida do Botafogo e temos plena certeza que será uma festa muito bonita e muito especial, marcando a caminhada do Botafogo na pré Libertadores rumo a fase de grupos.

Instalação de cadeiras no setor norte do estádio

– A entrada delas foi mais do que uma recomendação, foi uma exigência do Corpo de Bombeiros baseado em uma legislação que foi feita pa Copa do Mundo. Infelizmente esse fantasma das Arenas de Copa do Mundo continua a perseguir o futebol brasileiro. Então não nos restou outra alternativa a não ser colocar os assentos pra que os estádios pudessem ter a sua capacidade total liberada e essa é a nossa expectativa, que o estádio esteja totalmente liberado para a estreia para a quarta-feira.

Caracterização do estádio interferindo no clima para o jogo contra o Colo-Colo

– Sem dúvida alguma é uma mudança muito grande. Se o torcedor lembrar, na gestão passada o que se pretendia era transformar o estádio num estádio de todas as torcidas, um estádio sem um nome que o caracterizasse com o Botafogo. A proposta era que ele se chamasse Stadium Rio. Nós já dizíamos que era fundamental criar uma identidade do estádio com o torcedor do Botafogo. E a primeira coisa que fizemos ainda em 2015 foi conseguir mudar o nome junto à Prefeitura para Nilton Santos. Poucos que podem ter o nome do atleta mais importante ligado ao seu estádio. Sem dúvida nenhuma é o de Nilton Santos que só usou as cores daqui do clube e da Seleção Brasileira. No ano de 2016 tivemos a entrega do estádio para os Jogos Olímpicos e Paralímpicos, mas já pra 2017 o plano de customização que foi implantado e executado. Contou com o apoio da torcida do Botafogo e temos hoje o estádio todo em branco e preto. A ideia é que os adversários do Botafogo, ao entrarem em campo, saibam que estão entrando na casa do Botafogo.

Planejamento financeiro sustentado por entrada na fase de grupos

– Botafogo faz esse planejamento baseado em suas receitas e nos meses de compromisso que tem com seus atletas e funcionários. O que vier de renda e o que vier de remuneração e premiação nos campeonatos, nada disso a gente vende pra honrar os nossos compromissos. Então com certeza, estamos muito confiantes. Tenho certeza que o Botafogo vai evoluir a fase de grupos e daí para adiante, mas não dependemos de nada dessas receitas para que o clube possa ter o seu ano de 2017 dentro do mesmo padrão que vem tendo desde o momento em que assumimos no ano de 2014 e 2015. Tudo dentro da normalidade e pagando os salários em dia, recolhendo todos os encargos, pagando o Ato Trabalhista, pagando o Profut. Ou seja, o Botafogo hoje é um clube completamente diferente. Voltou a normalidade e imagino que seja um dos clubes de ponta da parte de responsabilidade social.

Indenização em problemas futuros em duelos entre Botafogo e outros rivais em caso de dano

– Isso não é nenhum problema. Todo o clube tem a sua cota da renda e os danos sendo causados no lado da torcida sendo identificado durante a partida, o montante dos prejuízos é descontado da cota da renda. Não há nenhum problema nem nenhuma dificuldade. O que se espera é que as pessoas denunciem qualquer tipo de atitude de vandalismo. É uma coisa que não representa o grosso das torcidas, certamente não é apoiado por nenhuma das duas equipes envolvidas e são elementos que infelizmente tem que ser afastados do convívio social. A expectativa é que sejam identificados e punidos.

Fonte: FutRio e Transamérica