Na véspera do clássico entre Botafogo e Flamengo, que acontece hoje (7), no Nilton Santos, pelo Campeonato Brasileiro, torcedores alvinegros colaram mensagens na entrada do Setor Sul, destinado aos rubro-negros, pedindo o pagamento das indenizações às famílias das vítimas fatais do incêndio no CT Ninho do Urubu, que aconteceu em fevereiro.

Papéis colados nas paredes trazem a impressão de uma matéria da edição brasileira do “El País” em que a manchete é uma fala do pai do goleiro Christian Esmério, que tinha 15 anos: “O Flamengo gasta 200 milhões contratando jogadores. E eu vou chorar a vida inteira pelo meu filho”. Além disso, um outro com dizeres escritos à mão: “Não é por rivalidade, é por justiça”.

O incêndio no Ninho do Urubu aconteceu no dia 8 de fevereiro e deixou 10 vítimas fatais. Até o momento, o Flamengo alinhou indenizações em quatro de 11 negociações – com as famílias de Vitor Isaías, Gedson dos Santos, Athila Paixão e com o pai de Rykelmo.

Com a mãe de Rykelmo e os familiares de Arthur Vinícius, Bernardo Pisetta, Christian Esmério, Jorge Eduardo, Pablo Henrique e Samuel Thomas ainda não houve um denominador comum em relação a valores.

Em maio, o incêndio do Ninho do Urubu esteve em meio a uma polêmica entre torcedores de Botafogo e Flamengo. Os clubes disputariam o jogo quatro da semifinal do Novo Basquete Brasil (NBB) e os alvinegros confeccionaram cerca de 600 faixas com a frase “Fogo neles”.

Apesar de o Glorioso lembrar ser uma frase comumente usada pela torcida por ser uma referência ao nome do clube, a ação criou mal-estar e foi adiada.

“O Botafogo recebeu doações de faixas, balões e outras surpresas para reservar ao seu torcedor uma grande festa no jogo contra o Flamengo, pelo NBB, nesta terça. Essa foi a nossa única motivação: criar a melhor experiência para os alvinegros nesse dia de casa cheia.

Cabe destacar que o termo utilizado é um bordão da torcida, sem qualquer objetivo de provocação. Para evitar polêmica ou interpretações diferentes dessa, as faixas serão utilizadas em outra oportunidade”, dizia comunicado publicado na ocasião.

Fonte: UOL