No final dos anos 1990, o Vasco teve timaços com Carlos Germano, Mauro Galvão, Felipe, Juninho Pernambucano, Pedrinho, Ramón, Edmundo, Donizete, Evair, Luizão… No começo do trabalho, em 1997, Antônio Lopes entrou em rota de colisão com nomes pesados. Em São Januário diziam que jogadores queriam derrubar o técnico.

Então Eurico Miranda reuniu os altetas para uma conversa. Disse a eles que o treinador continuaria e teriam que se acostumar com seus métodos, gostassem ou não da forma de trabalhar do “Delegado”. O Vasco foi campeão brasileiro em 1997 e da Copa Libertadores da América no ano de seu centenário, 1998. Com Lopes no comando.

Essa história de 18 anos exemplifica a forte relação entre o presidente vascaíno e o atual dirigente do Botafogo. Que vem de 1982, quando mudou mais de meio time às vésperas da final do campeonato carioca. E assim derrotou o poderoso Flamengo campeão do mundo em 1981. Lopes está na história do Vasco e Eurico confia nele.

Com Celso Roth desgastado ante o elenco e perdendo força no vestiário, uma nova troca de treinador não será surpreendente ante o desespero para evitar o terceiro rebaixamento em oito anos. E seria o primero com Eurico Miranda na presidência — Roberto Dinamite ocupava o cargo quando o clube caiu em 2008 e 2013.

Roth segue na função por falta de opções. Sua influência sobre os jogadores cai a cada resultado ruim. Eurico não quer fazer apostas como Doriva no cenário atual e se convence cada vez mais de que Antonio Lopes poderia retornar à função de treinador e arrumar a casa, por não temer medalhões e ter experiência no lançamento de jovens.

Paralelamente, Lopes perde força no Botafogo, especialmente com a saída de Antonio Carlos Mantuano, que na segunda-feira renunciou à vice-presidência de futebol. O grupo liderado por Carlos Augusto Montenegro se aproxima do presidente Carlos Eduardo Pereira. Preocupado com o risco de não subir, correm atrás de reforços.

Sem dinheiro, o clube conta com o apoio de botafoguenses bem sucedidos que poderão levar Danilo (do Corinthians), André Lima (Avaí) e mais um jogador para General Severiano. A chegada de Montenegro e do empresário Durcésio Melo ao clube coloca em xeque a posição de Antonio Lopes. E em São Januário, aumenta a crença de que, voltando a atuar como treinador, ele poderá salvar o Vasco da queda.

O maior medo nos dois clubes é um clássico entre eles em 2016. Na Série B.

Fonte: Blog do Mauro Cezar Pereira - ESPN.com.br