Foi em meio às lágrimas e muita tristeza que o meia Montillo se despediu oficialmente do Botafogo. Não somente do clube carioca, mas dos gramados. Em uma coletiva no início da tarde desta quinta-feira, no Estádio Nilton Santos, o argentino falou com carinho do Alvinegro e explicou por que resolveu parar de jogar futebol. O atleta estava acompanhado da esposa e dos dois filhos, que também se emocionaram com o anúncio da aposentadoria.

– Foi uma passagem rápida, mas fui muito feliz no Botafogo – começou o jogador de 33 anos. – Agradeço a compreensão da diretoria, da comissão técnica, jogadores, foi uma passagem muito rápida no Botafogo, mas fui muito feliz fora do campo e no momento que fiquei no campo também. Cinco vezes machucado, nunca aconteceu isso comigo, e o clube esteve sempre ao meu lado. A fisioterapia fez um trabalho magnífico comigo, a comissão técnica também. Todo mundo foi muito profissional. Infelizmente meu corpo começou a avisar que não ficaria 100%.

Montillo se emocionou na coletiva (FOTO: Satiro Sodré/SSPress/Botafogo)Montillo se emocionou na coletiva (FOTO: Satiro Sodré/SSPress/Botafogo)

Montillo explicou que conversou com o técnico Jair Ventura antes de anunciar a sua decisão, que colocou fim a uma carreira de 15 anos no futebol.

– Tentei, falei ontem com o Jair Ventura (técnico): ‘Eu fiz todo para tentar voltar e ajuda, mas não consegui’. A genética, o meu físico, não suportaram. Não tinha como eu fazer mais do que eu já estava fazendo. Fazia três sessões de recuperação em casa e não deu. Então, não dá mais. Está na hora de abrir espaço para os garotos – falou o atleta.

O jogador foi contratado no início da temporada com grande festa e recebeu a camisa 7, a mais importante do clube, das mãos do ídolo Maurício, herói de 1989. A temporada, entretanto, decepcionou.

Ele participou apenas de 18 jogos em 2017, menos da metade dos 37 disputados pela equipe. Ele ficou 950 minutos em campo fez apenas um gol, em janeiro, em amistoso contra o Rio Branco-ES.

Desde o início da temporada, havia dúvidas se ele poderia atuar em harmonia com Camilo, o meia que já estava no clube. No fim das contas, ambos atuaram pouco tempo juntos, pois alternaram períodos de lesão. Camilo chegou a reclamar com o técnico Jair Ventura por precisar atuar em posição diferente da sua enquanto estava em campo com o argentino.

Fonte: Extra Online