Enquanto a Federação de Futebol do Rio (Ferj) vive em uma realidade alternativa e comemora uma média de público pífia, os números do Carioca de 2015 trazem de volta a triste realidade de um campeonato deficitário e que só dá alegrias a apenas um lado: a própria entidade, que lucrou mais do que os quatro grandes nas 15 rodadas, apenas com sua taxa de 10% por jogo.

Se somados, os resultados financeiros de Botafogo, Fluminense e Vasco não chegam à metade do arrecadado pela Ferj: R$ 682,9 mil contra R$ 1,54 milhão somente com a taxa de 10%. Pior: nem mesmo o Flamengo, com 11 jogos obtendo lucro no Carioca e presente nos três principais públicos do futebol brasileiro em 2015 (contra Vasco, Botafogo e Fluminense), conseguiu ter um saldo superior ao da entidade: R$ 1,12 milhão.

Vale ressaltar que a culpa não é apenas da federação. Os clubes têm altos gastos com produção de ingressos, antidoping – que é de responsabilidade dos grandes – e, principalmente, aluguel de estádio. Em um dos clássicos, Botafogo e Flamengo levaram, cada um, apenas R$ 505 mil, 23,75% da renda de mais de R$ 2 milhões. O Maracanã ficou com R$ 995 mil.

Ainda assim, a diferença de arrecadação em relação à Ferj é gritante. Campeão da Taça Guanabara, o Botafogo teve um saldo de apenas R$ 26.433,00 com os 15 jogos que disputou. Sorte que embolsou mais R$ 1 milhão de premiação pela conquista. Já o grande que mais teve prejuízos foi o Fluminense, com quatro partidas obtendo saldo, sendo três clássicos.
Um fator que pode ter contribuído à péssima presença de público para o Tricolor são os estádios onde jogou. Ao contrário dos outros três arquirrivais, o principal inimigo político da Ferj foi quem menos atuou nos grandes estádios da capital (Maracanã, Engenhão e São Januário): sete vezes, contra 11 do Vasco, por exemplo.

“Fica claro que os clubes que não são alinhados politicamente (com a Ferj) são tratados de forma desigual”, reclama o presidente do Fluminense, Peter Siemsen, que critica os altos gastos nas partidas do Carioca.

“Este ano tem sido pior pelo crescimento dos custos de operação dos estádios e a excessiva participação da Ferj na renda, bem como o alto custo do quadro móvel nos jogos”, completa o dirigente.

Mas não foram apenas os adversários políticos que se deram mal. Apoiadores ferrenhos da Ferj, os 12 pequenos também tiveram péssimo desempenho. Só um jogo entre eles gerou lucro, enquanto os outros 65 deram prejuízo ao mandante. Até a oitava rodada, quando era possível analisar os borderôs com todos os gastos (clique na foto abaixo e veja o infográfico), o saldo dos jogos dos pequenos era bem inferior ao da federação: R$ 75 mil contra R$ 804 mil da Ferj.

Foto:  Arte

Maquiagem para mostrar lucro no borderô

Não faltaram ações para maquiar os resultados ruins dos jogos do Carioca. Desde o início, o presidente da Ferj, Rubens Lopes, e seus aliados argumentavam que o campeonato não é deficitário por causa das cotas de televisão, que passaram a ser incluídas nos borderôs. A prática fez com que as partidas ficassem no azul, mas em nenhum outro estado do país se utiliza de tal tática.

E não é a única. Como informou o DIA no dia 20 de março, a partir da nona rodada, a Ferj deixou de colocar nos borderôs dos pequenos três itens (cooperativa de árbitros, despesa operacional e delegado) que representam cerca de R$ 8 mil de despesas não divulgadas. Após a publicação, a porcentagem de INSS sobre esses gastos também deixou de ser computada, o que dificultou a reportagem a contabilizar o real prejuízo dos pequenos nos jogos.

Em outra tática, revelada pelo site ‘Globoesporte.com’, os pequenos são obrigados pelo artigo 11 do regulamento do Carioca a arcar com 25% da capacidade do estádio. Ou seja, em jogos com número de torcida inferior a esse piso, os próprios clubes devem comprar os ingressos. Assim, são vistos vários públicos redondos e com menos torcedores no estádio que o divulgado nos borderôs. Ninguém na federação foi encontrado para falar sobre o assunto.

Fonte: O Dia Online