FIM DO SONHO! BOTAFOGO PERDE A TERCEIRA CONSECUTIVA

Compartilhe:

Lima disputa jogada com Elias, autor do gol da vitória da Ponte (FOTO: Vitor Silva/SSPress)

Lima disputa jogada com Elias, autor do gol da vitória da Ponte (FOTO: Vitor Silva/SSPress)

Numa noite que teve furada de Seedorf e cobrança errada de escanteio de Lodeiro, seria muito, muito difícil o Botafogo vencer. Precisando dos três pontos para não deixar o Cruzeiro disparar na liderança do Brasileiro, a equipe alvinegra tropeçou em hora péssima e local errado. Num sábado à noite, no Maracanã, perdeu de 1 a 0, gol de pênalti polêmico, para uma Ponte Preta que, se pouco chegou ao gol e pode ter sido beneficiada por um erro de arbitragem, teve ao menos o mérito de se fechar bem e tentar decidir nos contra-ataques.

O resultado não poderia ter sido pior para os alvinegros. Com a segunda derrota seguida em casa, o time se mantém com 42 pontos, pode ver a líder Raposa abrir 11 de vantagem e ainda, de quebra, perder a segunda posição na tabela neste domingo, caso o Atlético-PR, com 41, supere o Vitória, em casa. Ou se o Grêmio, com 39, bater o São Paulo no Morumbi.

A Ponte Preta, treinada pelo técnico Jorginho, ex-Flamengo, permanece na penúltima colocação, mas, com 22 pontos e um jogo a menos, começa a ter esperanças de reação para escapar do rebaixamento. O gol marcado por Elias deu ao clube a primeira vitória no Maracanã em toda sua história e um alento ao time, que na terça-feira receberá o lanterna da competição, o Náutico, no Moisés Lucarelli. O Botafogo fará o clássico com o Fluminense, quarta-feira, no Maracanã, em que precisará vencer para quebrar a má fase e reagir na tabela.

Antes da partida, os jogadores do Botafogo campeões da Copa Conmebol em 1993 receberam homenagens da diretoria pelos 20 anos da conquista, que serão completados nesta segunda-feira. Depois do jogo, os atuais atletas eram só tristeza pelo resultado da noite de sábado.

Vantagem para a Ponte

O Botafogo teve mais posse de bola. O Botafogo foi mais ofensivo, incisivo. O Botafogo foi também mais organizado taticamente. E, mesmo tramando mais jogadas, não conseguiu, nos primeiros 45 minutos, criar uma chance de perigo que fizesse a torcida se empolgar no Maracanã num sábado à noite até então sem grandes emoções.

Aquele toque final, aquela jogada que faz a diferença, ela não existiu no primeiro tempo. A quantidade de passes errados, sem dúvida, contribuiu. Foram 30 dos alvinegros em 45 minutos.  O time estava mal tecnicamente. Pouco inspirados, Seedorf e Lodeiro, os grandes responsáveis pelo talento da equipe, pouco produziram. Pela direita, Hyuri também teve raros momentos para empolgar o torcedor. Bem marcado, Rafael Marques arriscou uma bola de fora da área que nem chegou a assustar muito. Até os volantes, Marcelo Mattos e Gabriel, tentavam de longe um bom arremate, sem sucesso.  O melhor tiro foi do lateral Edílson, mas Diego Sacoman desviou de cabeça, para escanteio.

Diante de sua posição bem incômoda na tabela – figura em penúltimo lugar -, a Ponte, fora de casa, pouco ia ao ataque. O lema era se fechar bem na defesa à espera de um bote. As apostas eram na velocidade de Adaílton. Os laterais pouco se arriscavam a avançar. Até que, aos 41, Artur arrancou pela direita, e, após a entrada de Lima, caiu na área. O árbitro marcou o pênalti, bastante discutível. Elias bateu de canhota quase no meio do gol, mas a bola passou por baixo de Jefferson e morreu no fundo da rede: 1 a 0 para a Macaca, aos 42.  Justo ela, que pouco foi à frente, que chegou ao Maracanã apenas para se proteger.

Oswaldo saca Seedorf

O primeiro tempo terminou como uma lição para o Botafogo. Não bastava apenas ter o domínio territorial, a posse de bola. Faltavam brilho e empolgação. A exemplo da partida contra o Flamengo, Seedorf recuou no segundo tempo para ficar mais solto, como um volante que iniciasse as jogadas. A torcida já perdia a paciência, e escolheu o lateral Lima, substituto de Julio César, poupado e no banco, como vítima. Mas o técnico Oswaldo de Oliveira botou Otávio e tirou Hyuri, apagado principalmente após ter levado o terceiro cartão amarelo, que vai tirá-lo do clássico contra o Fluminense.

Jorginho, técnico da Ponte, mexeu logo em seguida, trocando Adaílton por Adrianinho. A intenção do técnico da Macaca era manter-se ligado nos contra-ataques, mas com um pouco mais de marcação no meio de campo. Com isso, o técnico deixou apenas Rildo na frente, tentando resolver na correria. O camisa 11, apesar de isolado, incomodava a zaga. Mas àquela altura – 15 minutos do segundo tempo -, o Botafogo pressionava um pouco mais. O goleiro Roberto já fizera boa intervenção em centro de Lima. Mas Seedorf errava. Com direito a furada de bola. Oswaldo percebeu e resolveu sacar a estrela da companhia. Seedorf saiu balançando a cabeça, sem olhar para o treinador. Em seu lugar, entrou Henrique, com Rafael Marques recuando para exercer a função do holandês.

Curioso é que Lodeiro também não estava em seu dia. A ponto de errar uma cobrança de escanteio. O tempoi passava, e Oswaldo ainda tentou uma última cartada, com Alex no lugar de Marcelo Mattos. Jorginho já se fechara, trocando Alef por Magal. O Botafogo pressionava, mas só deu susto com Alex, no último lance. Bom para a Ponte, que conseguiu a primeira vitória no Maracanã em toda sua história.

FICHA TÉCNICA
BOTAFOGO 0 X 1 PONTE PRETA

Local: Maracanã, Rio de Janeiro (RJ)
Data-Hora: 28/9/2013 – 21h (de Brasília)
Árbitro: Francisco Carlos do Nascimento (AL)
Auxiliares: Luiz Carlos Silva Teixeira (AL) e Fábio Pereira (AL)
Renda e público: R$ 260.010.00 / 6.272 pagantes / 9.673 presentes
Cartões amarelos: Hyuri (BOT); Elias e Artur (PON)
Cartões vermelhos:
Gols:
Elias 42’/1ºT (0-1)

BOTAFOGO: Jefferson, Edilson, Bolívar, Dória e Lima; Marcelo Mattos (Alex, 32’/2ºT), Gabriel, Lodeiro, Seedorf (Henrique, 22’/2ºT) e Hyuri (Otávio, 13’/2ºT); Rafael Marques. Técnico: Oswaldo de Oliveira.

PONTE PRETA: Roberto, Artur, Ferron, Diego Sacoman e Uendel; Baraka, Fellipe Bastos, Alef (Magal, 34’/2ºT) e Elias (Fernando Bob, 29’/2ºT); Rildo e Adaílton (Adrianinho, 16’/2ºT). Técnico: Jorginho.



Fonte: Globoesporte.com (texto) e Lancenet! (ficha)
Comentários