O zagueiro Gabriel mostrou muita revolta com o pênalti marcado sobre Deyverson com auxílio do VAR que determinou a vitória do Palmeiras sobre o Botafogo por 1 a 0 neste sábado, em Brasília, pelo Campeonato Brasileiro. O lance gerou muita reclamação.

Aos nove minutos do segundo tempo, o árbitro Paulo Roberto Alves Júnior apontou que Deyverson havia se jogado no lance e deu cartão amarelo por simulação. Porém, chamado pelo árbitro de vídeo, Adriano Milczvski, reviu o lance em câmera lenta e assinalou pênalti – Gabriel pisou o tornozelo de Deyverson na passada.

Vergonhoso, porque eu nem vejo o Deyverson, vou dar a passada e acertei mesmo o pé dele. Mas aí ele vai olhar na câmera lenta e vê o que aconteceu. O futebol está acabando, não pode encostar mais que tudo ele quer chamar o VAR. Não tem convicção do que ele está fazendo, do que ele está marcando. Fica difícil assim. O VAR vai ser muito bem-vindo ao futebol, mas se souber usá-lo. Não adianta em qualquer lancezinho ele parar e ver em câmera lenta, se for assim em cada jogo ele vai ter que marcar cinco pênaltis. Futebol é contato, não tem como. Vergonhoso – disse Gabriel na saída de campo, ao canal Premiere.

O zagueiro do Botafogo ainda reclamou da prepotência do juiz do jogo, que enervou a equipe alvinegra e distribuiu 11 cartões amarelos no jogo, todos para o Alvinegro: João Paulo, Gilson, Leo Valencia, Gustavo Bochecha (no banco de reservas), Fernando, Gabriel, Gatito Fernández, Cícero, Diego Souza, Gustavo Ferrareis e até o preparador de golerios Flávio Tênius.

– Ele também é muito arrogante, não pode conversar com ele. Ficou ameaçando expulsar o Gilson toda hora – completou.

Fonte: Redação FogãoNET