“A gente fala em obrigação. Você já escalou o Monte Everest? Não podemos ter obrigação com uma coisa que nunca aconteceu. O Botafogo nunca foi em dois anos seguidos para a Libertadores. Nunca fui à Lua. Vamos procurar essa classificação, mas sem pressão”. Essa declaração de Jair Ventura mudou sua relação com a torcida alvinegra, principalmente porque o time não obteve a vaga na Libertadores no Campeonato Brasileiro de 2017 e o treinador aceitou proposta do Santos.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

A polêmica referência ao Everest foi muito criticada por torcedores. Em entrevista ao jornalista Thiago Franklin, do Canal do TF, neste domingo, Jair Ventura explicou a situação e disse que faria diferente se fosse hoje.

– Todo líder por vezes tem que proteger seu elenco. Como chegou a situação do Everest? Nosso time jogava 120%, quem acompanhou sabe da garra e da entrega. Começamos a sofrer pressão para a classificação para a Libertadores. Iniciamos o ano primeiro, tivemos a pré-Libertadores, por ter começado antes, com elenco enxuto e ido longe em todas as competições, foram 73 jogos, chegamos desgastados no fim do ano. Quis tirar o peso de cima do grupo e fiz essa analogia – afirmou.

– Só que quando você faz analogia, você é responsável pelo que quer falar, mas pode ser interpretado de maneira diferente. Cada um interpretou de um jeito, “ah, desrespeitou o clube“, não foi minha intenção. Teria que blindar o grupo, mas não faria mais esse tipo de analogia. Em nenhum momento desrespeito a instituição. Você como líder às vezes tem que dar as costas para bater. Protegi o grupo e acabei sofrendo sozinho. Nessa situação poderia não ter usado a analogia. Foi uma péssima analogia. – admitiu.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo | Cupom de 10% de desconto

Tirar o peso dos jogadores

Jair Ventura garante que não desrespeitou o Botafogo com a declaração.

– Em nenhum momento quis desrespeitar a instituição que mau pai (Jairzinho) jogou 13 anos e trabalhei 10 anos, que me formou como profissional, como técnico e como pessoa. A minha intenção foi tirar o peso dos jogadores. Lógico que foi um erro – completou o treinador, atualmente sem clube.

Fonte: Redação FogãoNET e Canal do TF