Jair Ventura estava inconsolável após a derrota por 2 a 0 para o Palmeiras, nesta segunda-feira, em São Paulo. O treinador do Botafogo desabafou na coletiva de imprensa e comentou sobre o sofrimento da torcida com a atual fase do Alvinegro. O comandante, no entanto, disse que seguirá no clube em 2018 a não ser que seja demitido, quadro improvável.

Apesar do péssimo momento, o treinador ainda não jogou a toalha e projeta o duelo com o Cruzeiro, no Nilton Santos, no próximo domingo. Em caso de título do Grêmio, na quarta, bastará uma simples vitória ao Alvinegro para voltar a disputar a competição internacional em 2018.

“O sofrimento da torcida é o nosso sofrimento. Torcedor é o maior patrimônio do clube, sempre falei isso. Tudo que fazemos é para dar o melhor para eles. Nem sempre é o suficiente para agradá-los. Ficamos triste porque somos pagos para dar essa alegria a eles. Sofrimento deles é o nosso, repito. Mas ainda temos mais um jogo e sabemos da dificuldade. Jogo é na nossa casa, vamos fazer nosso melhor e buscar a classificação”, disse o treinador.

“Tenho contrato. Só não fico caso a direção entenda que tenha que mudar. Estou focado nessa situação da Libertadores. Independente da classificação ou não, eu permaneço porque tenho contrato”, completou Jair Ventura.

Obrigação ou não, o treinador deixa claro que o Botafogo dará o máximo nessa última semana de trabalho para conseguir o objetivo final: a vaga na Libertadores.

“Eu falei que não era obrigação. Mas obrigação é diferente de não darmos o máximo, o nosso melhor. Vamos vender caríssimo esse último jogo em casa para conseguirmos essa classificação”

Fonte: UOL