Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

25/04/21 às 18:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

X

Escudo Macaé
MAC

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

1

X

0

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

1

X

1

Escudo Botafogo
BOT

Marcelo Mattos chega a 150 jogos com a camisa do Fogão: ‘Está no meu coração’

0 comentários

Compartilhe

Morando no Rio desde 2010, Marcelo Mattos mantém o sotaque caipira, típico do interior de São Paulo, onde nasceu. Não se considera um carioca, pois diz não gostar de praia – e a pele nada bronzeada re-força isso. Mas já é botafoguense de coração. Entre momentos pra lá de delicados e muitos outros de alegria, o volante chega nesta quinta-feira, contra o Volta Redonda, à mar-ca de 150 jogos pelo clube e faz um balanço desse intenso período.

– O sotaque é difícil de mudar. Não me considero carioca, não gosto de praia. Se fui duas vezes, é muito. Mas sou muito feliz aqui. O Botafogo está no meu coração, sim. Vivi muitas coisas e atingir essa marca é motivo de felicidade – disse.

Ao falar da trajetória pelo Alvinegro até aqui, Mattos logo lembra da luta para conseguir ficar em definitivo no clube, após o período de um ano de empréstimo.

Em julho de 2011, o volante teve de retornar ao Panathinaikos (GRE). Mas o desejo de não morar mais na Grécia, somado a uma demonstração de carinho dos torcedores do Fogão, mexeram com ele:

– No último jogo antes de voltar para lá, em 2011, fiz um gol sobre o Grêmio. Foi o primeiro e único pelo Botafogo. No fim, fui substituído e a torcida pediu para eu ficar. Aquilo mexeu comigo e me deu mais ânimo para ir até a Grécia e convencer os dirigentes para eu permanecer no Botafogo. Abri mão de muita coisa, não foi pouco, não, para ficar aqui.

Mas o momento mais delicado, tanto na parte pessoal quanto na profissional, foi em 2012. Enquanto lutava para se recuperar de uma grave lesão no púbis, ainda sofria com o grave estado de saúde da mãe, que veio a morrer naquele mesmo ano:

– O ano de 2012 foi muito complicado. Minha mãe estava doente e mesmo assim eu tinha de me recuperar para voltar a jogar. Sentia muitas dores, achava que não conseguirir voltar a jogar naquele ano. Foi tudo muito complicado – lembrou, emocionado, o camisa 5.

Na base da superação, Mattos deu a volta por cima. Em 2013, conquistou o título carioca e a sonhada vaga para a Libertadores. Hoje, diz viver o melhor momento no Glorioso.

– Estou mais maduro, passei por várias situações no clube, problemas de salários, saída de jogadores. Muitos técnicos passaram por aqui. Mas vencemos tudo isso e hoje quero aproveitar ao máximo – finalizou.

Ansiedade por voltar a marcar

Marcelo Mattos começou a carreira como meia, no Mirassol (SP), e mesmo atuando como volante nos tempos de Corinthians, viveu uma fase goleadora, com mais de 20 gols feitos. No Botafogo, porém, balançou a rede somente uma vez e não vê a hora de voltar a marcar.

– Dá aquela ansiedade. Neste ano estou até com mais oportunidades de subir, quando Jorge Wagner bate escanteio, vou pra área, quando Edilson cobra fico no rebote… Mas o objetivo é ajudar o Botafogo. Saindo vencedor, fico feliz – disse o volante.

O gol de Mattos foi feito em 2011, pelo Campeonato Brasileiro, contra o Grêmio. Na ocasião, o Glorioso venceu por 2 a 1.

Comentários