O Botafogo teve uma quarta-feira tumultuada. Por falta de pagamento, a sede do clube ficou parte do dia sem luz e os jogadores, que não recebem salários há dois meses, não darão entrevistas durante toda a semana e nem participarão de ações de marketing do clube.

O presidente Nelson Mufarrej considerou “legítima” a cobrança do elenco. “Foram profissionais a todo momento nos expondo o ponto de vista deles, em reuniões, com seriedade, priorizando os treinamentos acima de tudo. Estamos trabalhando com afinco para acertar o pagamento dos salários no mais curto prazo possível”, disse o dirigente, em comunicado oficial.

Mufarrej revelou algumas medidas na busca de amenizar a crise do clube. “As dificuldades não são poucas e temos exigido o máximo comprometimento de todas as áreas para aliviar o caixa e quitar esses débitos. Os Departamentos Comercial e Marketing estão empenhados na busca por novas receitas e entendemos que isso é a prioridade máxima no clube no momento.”

O elenco não recebeu os direitos de imagem e salários de maio e junho, além de premiações. Os funcionários do clube estão com os vencimentos em dia, mas sexta-feira é dia do pagamento de junho.

Esta não é a primeira vez que os jogadores protestam contra a falta de pagamento dos salários. Em abril, os atletas não concentraram antes do jogo contra o Juventude, pela Copa do Brasil.

O Botafogo volta a campo no dia 14, diante do Cruzeiro, pela décima rodada do Campeonato Brasileiro, competição que ocupa a sétima posição, com 15 pontos, dez a menos que o líder Palmeiras.

Além do torneio nacional, o Botafogo ainda vai disputar as oitavas de final da Copa Sul-Americana, quando terá como adversário o Atlético-MG, dias 24 e 31, com o primeiro jogo no Rio.

Fonte: Estadão