‘Nininho’ leva amigos da praia para gerir o Botafogo

Compartilhe:

Desde moleque Nininho sempre lustrou as cinco pontas de sua estrela-guia. Botafoguense fanático e, óbvio, supersticioso, também adotou o tradicional símbolo do clube de coração no escudo do Xavier, de Copacabana, time de praia que aprendeu a amar e o ensinou o valor da amizade e o árduo, mas gratificante, caminho das vitórias, da consagração. A história de amor começou em 1982 quando o amigo Udo, vizinho da Pompeu Loureiro, o convidou para ser o xerifão da zaga. Topou na hora apesar de não ter a estatura intimidadora de Paulão e Nega Julia, atletas que se destacariam no Xavier tempos depois. Logo na estreia, ele, Foster, Claudão, Rogério, André, Macanudo, Beto, Udo, Dudu e Guilherme paparam o título da Liga de Futebol de Praia e consagraram-se.

– Apesar do sucesso, o time acabou mas voltei a montá-lo com autorização de Claudão, o antigo dono, treze anos depois, em 1997 – contou Nininho, apelido de Maurício Assumpção, presidente do Botafogo, incontestável campeão carioca de 2013, e atual técnico do Racing, inquestionável campeão invicto de 2012, no torneio organizado pela Federação Carioca de Futebol de Praia.

Maurício Assumpção técnico? Mas o Oswaldo Oliveira, treinador do Botafogo, sabe disso, conhece essa faceta do “patrão”? Guilherme Careca Meireles, cão farejador de nossa equipe e botafoguense de carteirinha, apurou e no sábado passado fomos ao Posto 4 confirmar. Bingo! Do calçadão, avistamos o “professor” numa rodinha com os astros do Racing. Concentrado, traçava estratégias para enfrentar o Dínamo, na decisão do campeonato regional. Final da partida, haja estrela, mais um título!!! Na torcida, vários craques do Xavier, time que definitivamente encerrou as atividades em 2009 após Assumpção assumir a presidência do Botafogo.

– Em 2009 foi um ano e tanto! Maurício ganhou a eleição e vencemos o Juventus na final do campeonato representando o América do Lido, que estava sem jogadores para inscrever – recordou Ayrton Mandarino, titular absoluto do Xavier e atual diretor comercial do Botafogo.

Time do America representado pelo Xavier

Essa situação já ocorrera quando foram campeões atuando pelo Liverpool e pelo Botafogo, esse no soçaite. Os caras jogavam muito e como não integravam a Federação volta e meia eram convocados por times com pouca estrutura, sem quadros completos, para representá-los. Divertiam-se com isso e o importante era estarem juntos! A amizade verdadeira foi a responsável por tantas glórias. Maurício Assumpção sabia disso e de alguma forma sonhava levar aquele clima familiar e filosofia de vida para sua administração no Botafogo.


O Botafogo representado pelo Xavier

– Com amigos de verdade, e ainda por cima talentosos, não temos limites – atestou Assumpção, formado em Odontologia e professor de odontopediatria.

E assim foi. Além do diretor comercial e de marketing, Ayrton Mandarino, ex-capitão e volante do Xavier, também vestem a camisa do Fogão quase um time inteiro dos craques de Copacabana: Sidnei Loureiro, diretor do Xavier e gerente de futebol profissional, Ney Souto, volante e gerente geral da base, Gugu, roupeiro do Xavier e agora das categorias de base, Guguinha, atual campeão mundial de futevôlei 4 x 4, volante e analista financeiro, Johnny, meio-campo e coordenador de novos talentos da base, Dilson, o Bui, técnico de memoráveis conquistas e responsável pelo quadro administrativo do Engenhão, Bernard Shaw, meia-esquerda e administrador do Caio Martins, e Neto, zagueiro e fisioterapeuta da base. Timaço!

– Continuamos o time entrosado de sempre e cada um apresentando resultado em suas áreas – garantiu Ayrton Mandarino.

O senso de cooperação da rapaziada realmente encanta Assumpção. Boleiros de Copacabana! Parceiros sem data de validade! Quantas comemorações no Cevada e no Ziza Bar, esquina da Leopoldo Miguez com Miguel Lemos. O Xavier continua na ativa! No título do Botafogo, Maurício Assumpção sofria com os problemas de saúde do pai e chorou convulsivamente ao fim do jogo. Pediu licença da presidência, precisava de um tempo, mas os amigos o convenceram a dar um pulinho na praia e dirigir o Racing, seu novo time. Com os amigos do Xavier enfrenta qualquer pedreira. Foi, venceu e ao chegar em casa, para não perder o hábito, deu a lustradinha de sempre na estrela-guia.

Da esquerda para direita, Bui, Bernard Shaw, Maurício Assumpção e Guguinha. Acima, da esquerda para direita: Johnny, Sidnei Loureiro, Gugu e Ayrton Mandarino. Todos jogavam no Xavier e hoje trabalham no Botafogo.



Fonte: Blog A Pelada Como Ela É - O Globo Online
Comentários