A prisão de Marcelo Odebrecht por decisão do juiz Sérgio Moro, que conduz a Operação Lava-Jato, quem diria, pode atingir até o Botafogo. Sem pagar os serviços de água e luz no canteiro de obras do Estádio Olímpico Nilton Santos, a empreiteira teve seu trabalho paralisado. O Botafogo fechou os portões de acesso do estádio e não permitiu a entrada de operários na manhã desta segunda-feira. Centenas de operários e representantes da empreiteira e de outras empresas subcontratadas estão na parte externa do Nilton Santos aguardando uma reunião entre o clube, Prefeitura e a Odebrecht.

– Não temos condições de trabalhar sem água e energia. Além disso, a obra está atrasada e não há garantias de que vamos entregar no prazo – afirmou um funcionário que pede para não ser identificado.

Ao chegarem pela manhã, os cadeados haviam sido trocados e a administração do Botafogo colocou seguranças para impedir que os funcionários forçassem a entrada ou saltassem sobre o muro.

Oficialmente o Botafogo ainda não se manifestou. E representantes da Prefeitura seguiram para o estádio a fim de ficar a par da situação. O grupo Odebrecht, com alguns funcionários presentes, não reconhece a dívida. A previsão de entrega do Estádio era para o próximo dia 31 de julho, mas poucos funcionários acreditam no cumprimento do prazo.

Fonte: Conexão Jornalismo