Nada fácil. Foi assim que o presidente do Botafogo, Carlos Eduardo Pereira, definiu a demissão de René Simões, no início da tarde desta quarta-feira (15). Durante participação no programa Bate-Bola, o dirigente disse que admira o treinador, mas que era hora de uma reformulação.

“Foi uma decisão difícil de ser tomada. Os resultados não estavam na expectativa, foi uma grande decepção e vimos que era o momento de fazer a troca. Vamos fazer uma reformulação na comissão técnica. Devemos trazer alguns reforços, esperando que possamos manter a liderança. Queria agradecer ao trabalho do René, grande profissional, que aprendi a admirar. Foi uma decisão difícil”, disse.

“Você tem que fazer uma avaliação do conjunto, não pode se basear apenas em resultados. O resultado frio pode te levar a uma injustiça ou entusiasmo em excesso”, aumentou.

De acordo com Carlos Eduardo, a troca no comando técnico não tem relação apenas com a eliminação do clube carioca na Copa do Brasil, que aconteceu na noite da terça-feira, contra o Figueirense, mas sim com a perda da vantagem em relação aos concorrentes na Série B do Campeonato Brasileiro.

“O Botafogo abriu uma vantagem confortável, mas nos últimos jogos nossos adversários eliminaram a vantagem. Isso nos preocupou bastante. O Botafogo está jogando sua vida no retorno, encaramos com o máximo de seriedade”, analisou.

Por último, Carlos Eduardo Pereira negou a chance de que um treinador de “peso” assuma o cargo deixado por René. O dirigente afirma que o clube não dispõe de dinheiro para grandes contratações.

“Não discutimos ainda, até porque estou fora do Rio. Devemos ter o Jair Ventura como interino. Temos que avaliar, mas uma contratação de muito peso está descartada. O Botafogo não tem orçamento para trabalhar fora do praticado”, completou.

Fonte: ESPN.com.br