Pela segunda vez na história, Botafogo e Flamengo duelam estando em diferentes divisões do futebol brasileiro. Engana-se, porém, quem pensa que isso diminui o peso do clássico ou define o vencedor por antecipação. No Maracanã, quem vencer ficará com a liderança isolada do Carioca.

Em 2003, quando o Botafogo também estava na Série B, o Rubro-Negro levou a melhor no único confronto do ano: 4 a 2 sobre um Alvinegro que ainda tentava se encontrar após o rebaixamento. Agora, o panorama é outro.

Com uma reformulação consolidada e campanha quase impecável, com cinco vitórias e um empate, a equipe de René Simões ocupa o segundo lugar da tabela. E a promessa é de manter a postura dos triunfos sobre os pequenos contra o grande da Gávea, apesar do problema de última hora. Artilheiro do time com quatro gols, Bill sentiu um desconforto na coxa direita, deixou o treino de ontem e virou dúvida.

“Temos sempre proposto os jogos e vamos tentar fazer isso também contra o Flamengo. Não sei o que vai acontecer, mas a ideia é essa”, afirmou o técnico alvinegro.

Pelo lado rubro-negro, Vanderlei Luxemburgo não veste a carapuça de favorito pelo fato de o adversário estar na Série B. O treinador, que é flamenguista desde menino, conhece bem a grandeza do rival, em qualquer ocasião.

“O Botafogo não vai ser a quarta força nunca. Tem camisa, tradição e peso. Foi rebaixado, tem problemas de ordem financeira e política, mas tem que ser respeitado. Vai ser jogo duro, de igual para a igual”, previu Luxa.

Felizes dos cariocas que poderão, no aniversário de 450 anos do Rio, assistir a um dos clássicos que ajudaram a tornar o futebol da cidade o mais charmoso do país.

Fonte: O Dia Online