O lateral-direito Rafael voltou a afirmar o desejo de atuar pelo Botafogo, seu time de coração. Cria da base do Fluminense e atualmente no Lyon, da França, o ex-jogador do Manchester United fez um exercício de imaginação e montou o Glorioso com ele, seu irmão gêmeo Fábio (lateral-esquerdo do Nantes) e o lateral-esquerdo Marcelo, do Real Madrid, também botafoguenses.

Máscaras do FogãoNET para torcedores do FogãoNET durante a quarentena da pandemia do novo coronavírus (COVID-19)

– Vai logo nós três juntos, puxa o Marcelo para o meio e bota nós dois nas laterais, ou então coloca meu irmão no meio e o Marcelo na lateral. Vamos todo mundo junto, para levar o negócio para cima – brincou Rafael em participação no programa MFM Debate, do Esporte Interativo, dizendo que ainda não conversou com Marcelo sobre a questão:

– Nunca falei sobre isso com o Marcelo, mas sei que ele é botafoguense pelo avô dele. Não sei o que passa na cabeça dele, se ele quer jogar lá no Brasil.

Rafael tem contrato com o Lyon até junho de 2021 e já manifestou sua vontade de se transferir para o Botafogo na sequência. Carlos Augusto Montenegro, membro do comitê executivo de futebol do clube, abriu as portas para o lateral, deixando claro que ele precisaria se adequar à realidade financeira do futebol alvinegro. Rafael reiterou que não quer apenas vestir a camisa do Fogão, mas ser campeão.

– Sou botafoguense, meu sonho é jogar no Botafogo. Quem sabe em 2021, quem sabe depois… Mas meu sonho é jogar pelo Glorioso e espero realizar meu sonho. Realizei tanto sonho no futebol e esse seria meu sonho talvez para fechar com chave de ouro a minha carreira. E ser campeão, não adianta só passar, tem que ganhar alguma coisa – afirmou.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo

No Botafogo, Rafael atuaria pela primeira vez como profissional no Brasil

Rafael também comentou sobre a vontade que tem de jogar como profissional no futebol brasileiro, já que ainda muito cedo deixou o país para jogar na Europa, onde está há 12 anos. Segundo ele, há muito o que levar do futebol europeu para seu país.

– Quero levar minha experiência que tive na Europa, os títulos, os jogadores com quem joguei, os trabalhos que já fiz, é sempre importante levar coisas novas no Brasil. E aprender também, nunca joguei profissionalmente no Brasil e vai ser uma novidade imensa. Vejo todos os jogos, mas quando se está dentro de campo é muito diferente. Além de tudo que já vivi, quero ter essa experiência no Brasil – comentou.

Veja o vídeo da entrevista com Rafael:

Fonte: Redação FogãoNET e Esporte Interativo