Os 180 minutos não foram suficientes para resolver o duelo entre Fluminense e Botafogo. Contando com um gol irregular de Fernandes e terminando o clássico com jogadores exaustos, o Alvinegro venceu no tempo normal por 2 a 1 e levou a melhor também na disputa de pênaltis superando o Tricolor por 9 a 8 depois de o goleiro Renan defender dois chutes e ainda marcar o gol na última cobrança.

Renan defendeu as cobranças de Kenedy (o primeiro), Gerson (o terceiro) e viu o também goleiro Diego Cavalieri chutar para fora na nona tentativa do Flu. Para o Botafogo, Marcelo Mattos e Diego Giarreta viram Cavalieri defender.

A equipe de General Severiano agora aguarda o vencedor do duelo entre Flamengo e Vasco, neste domingo, às 16h, no Maracanã, para saber quem será seu adversário. O Rubro-Negro joga pelo empate. O primeiro jogo da final será no dia 26 de abril.

Fases do jogo: O Alvinegro começou arrasador. Logo aos cinco minutos, Rodrigo Pimpão recebeu em impedimento, encobriu Diego Cavalieri,  e Fernandes, que vinha no embalo, só empurrou para dentro e abriu o placar. Acuado, o Fluminense se defendia como podia e era imprensado pelo Alvinegro. Com Pimpão inspirado, o Glorioso não demorou a ampliar com Bill após bobeada de Wagner.

As chances se seguiram e não é um exagero dizer que o Botafogo poderia até ter feito uma goleada no primeiro tempo, embora o zagueiro Gum tenha carimbado o travessão em cabeceio. Porém, no fim da etapa inicial, Kennedy recebeu sozinho e o goleiro Renan, afobado, cometeu pênalti que Jean bateu e converteu.

No segundo tempo, a situação se inverteu e o Fluminense passou a ser bem superior. Assim como havia acontecido no primeiro tempo, Gum carimbou o travessão e quase empatou o jogo. Robert, que entrou no lugar de Wagner, criou boas jogadas e o Tricolor teve a chance de liquidar a fatura. Nos últimos dez minutos, o Botafogo viveu um verdadeiro drama, com Bill, Marcelo Mattos, Thiago Carleto e Arão completamente esgotados fisicamente e sem o técnico René Simões pode fazer substituições.

O melhor – Renan: Embora tenha cometido um pênalti bobo no tempo normal, se superou nas cobranças ao defender dois e fazer o gol da classificação.

O pior – Wagner: Perdeu uma bola displicente que originou o segundo gol do Botafogo. Na criação, pouco fez.

Chave do jogo: O Botafogo teve boas oportunidades no primeiro tempo que não soube aproveitar. Já o Fluminense desperdiçou a chance de se sobressair com a superioridade física no segundo tempo.

Para lembrar:

– O técnico do Botafogo, René Simões, levou sua neta de apenas sete meses ao Engenhão. Ele a chamou de “talismã”.

– O meia alvinegro Elvis se lesionou com apenas 15 segundos de jogo. Ele foi substituído em seguida por Gegê.
BOTAFOGO (9) 2 X 1 (8) FLUMINENSE
Data e hora: 18/04/2015, às 18h30 (horário de Brasília)
Local: Estádio Nilton Santos (Engenhão), no Rio de Janeiro (RJ)
Arbitragem: Péricles Bassols Pegado Cortez
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moises e Michael Correia
Renda e público: R$ 784.440,00 / 13.958 pagantes e 16.312 presentes
Cartões amarelos: Renan, Luis Ricardo (BOT)
Cartões vermelhos: Nenhum
Gols: Fernandes, aos 5 minutos do primeiro tempo (BOT); Bill, aos 22 minutos do primeiro tempo (BOT); Jean, aos 43 minutos do primeiro tempo (FLU)
BOTAFOGO
Renan; Gilberto, Renan Fonseca, Diego Giaretta e Thiago Carleto; Marcelo Mattos, Willian Arão, Fernandes (Luis Ricardo) e Elvis (Gegê); Rodrigo Pimpão (Jobson) e Bill
Técnico: René Simões
FLUMINENSE
Diego Cavalieri, Wellington Silva, Marlon, Gum e Giovanni (Renato); Edson, Jean, Vinicius (Marlone) e Gerson e Wagner (Robert); Kenedy
Técnico: Ricardo Drubscky

Fonte: UOL