As frequentes polêmicas de Sassá tiveram um preço. O jogador foi afastado pela comissão técnica e diretoria por tempo indeterminado. Essa é a segunda vez na atual temporada que o atacante treina em grupo diferenciado do elenco principal após cometer indisciplinas. Na última semana, ele se atrasou em alguns treinamentos e ficou de fora do jogo contra o Grêmio.

Por mais que alguns atos de indisciplina tenham ocorrido, o clima entre Sassá e Botafogo não é bom desde a semana passada, quando o jogador pediu R$ 5 milhões de luvas e salários de R$ 300 mil para renovar contrato, que termina em dezembro. O Alvinegro considerou a pedida muito alta e tentava reduzir.

O estafe de Sassá, porém, não parece muito preocupado com o Botafogo e já tem oferecido o atleta para outros clubes. Um deles é o Palmeiras, que busca um atacante jovem para compor o elenco num primeiro momento. Esse é um pedido do técnico Cuca e o clube estuda alguns nomes, entre eles o do jogador alvinegro.

O Palmeiras não é o único possível interessado. O Cruzeiro monitora a situação de Sassá. Com intuito de reforçar o ataque para o decorrer da temporada, o jogador de 23 anos aparece como uma das opções. O problema é que a diretoria acompanha o atacante tão de perto que se preocupa com os recentes problemas extracampo.

A ausência na lista de inscritos para a Libertadores, no início do ano, e o afastamento recente por conta dos atrasos recorrentes aos treinos não pegaram bem para a imagem do atleta na Toca da Raposa II. O lado “bad boy” do jogador assusta à cúpula, que não costuma dar oportunidades para atletas com este tipo de comportamento.

Publicamente, o Cruzeiro garante que não há negociações pelo jogador. A diretoria ainda reforça a ideia de que não comenta negociações que não foram finalizadas.

O Botafogo ainda não foi procurado por nenhum clube até o momento. O Alvinegro está disposto a negociar para liberar o atacante antes do fim do contrato, mas precisaria de uma composição financeira ou envolver um jogador na troca.

Fonte: UOL