Outrora determinante na contratação do volante Bruno Silva, a transferência do atacante Rony para o Botafogo ganhou um capítulo nas últimas horas. Isso porque o Albirex Niigata-JAP, dono de 80% dos direitos econômicos do jogador, teria cobrado US$ 10 milhões (cerca de R$ 32 milhões) para que o atleta deixe a terra do sol nascente e defenda o time da estrela solitária. Porém, a Raposa, antes dona de 20% dos direitos, se mostra tranquila em relação ao caso, principalmente em relação a um eventual entrave sobre o meio-campista.

Em contato, a diretoria celeste explicou que o Albirex pede o atleta de Rony ou o pagamento da multa integral. Porém, isso não impactaria na permanência de Bruno Silva na Toca da Raposa, uma vez que o contrato prevê que basta ao time celeste pagar R$ 1 milhão ao Botafogo ou ceder outro atleta do elenco.

A multa, no caso, seria um assunto referente ao Botafogo e o clube japonês. Nesse caso, o clube carioca teria de arcar com os valores estipulados pelo time nipônico ou chegar a um acordo para contar com o atleta nesta temporada.

O empresário do atacante Rony, Hércules Júnior, afirmou que se encontrará com a diretoria do Botafogo ainda nesta tarde em busca de uma solução para o caso. Há o interesse do atleta na permanência, ainda mais após a assinatura de vínculo e as bases salariais definidas. Segundo o agente, ele só foi comunicado da situação nesta manhã e busca a melhor resolução para o impasse.

No início desta tarde, o staff do jogador, Michel Anderson, explicou que o clube alvinegro fará uma proposta por Rony. “A novidade é que o Rony segue treinando no Botafogo. Estão esperando para resolver as pendências. O Albirex cobra o valor de rescisão. Esse valor, o Botafogo não quer pagar US$ 10 milhões. Estão elaborando uma proposta para ter uma solução positiva para o caso”, explicou Anderson.

Rony deixou a Raposa rumo ao Albirex no final de 2016, por R$ 4 milhões. À época, o clube celeste vendeu 80% dos direitos do atleta. No ano passado, o atacante marcou sete gols em 32 jogos.

Fonte: O Tempo