Thiago Cesario Alvim é o candidato da Chapa Azul. Ele foi vice de comunicação do Botafogo desde 2009, pedindo demissão para se candidatar à presidência. O vice dele será o empresário Durcésio Mello, que chegou a ser cotado para ser candidato da chapa.

Em entrevista por telefone ao SRZD, Thiago afirmou que a obsessão da gestão vai ser a categoria de base. Segundo ele, os jovens do Botafogo vão receber um centro de treinamento assim que ele for eleito.

Leia a entrevista na íntegra:

Thiago Cesario Alvim. Foto: SS Press

SRZD: Por que o senhor acha que deve ser presidente do Botafogo?

Thiago Cesario Alvim: Dois motivos. Primeiro, a minha paixão pelo Botafogo. Eu tenho uma paixão imensurável pelo Botafogo e sempre que o Botafogo precisa eu estou presente, seja na função que for.

O segundo motivo é uma missão que me foi dada pela Chapa Azul, que é a chapa de união do Botafogo, uma chapa com muita representatividade dentro do sucesso histórico dos 110 anos do Botafogo. Nós tínhamos dúvidas de qual seria a cabeça da chapa. Em uma primeira hora seria o Durcésio Mello, mas compromissos impediram ele de exercer. Em um segundo momento seria o Alberto Macedo, mas as atividades familiares impediram ele de assumir a presidência. E o Montenegro me perguntou: “Thiago, você vem como presidente?”. Eu falei: “Montenegro, você está comigo? A Chapa Azul está comigo? Eu sou o nome que eles acham que seria representativo da nossa história, dessa vontade de restruturar e mudar o Botafogo?”. Eles disseram que sim, que tinham mais ou menos umas vinte pessoas na liderança do grupo, que estavam representando diversos setores e correntes políticas. A gente tem dentro da chapa um grupo grande jurídico, um grupo grande financeiro, um grupo grande político. Temos o Montenegro e Bebeto (ex-presidentes), além de outros vários ex-presidentes dentro da chapa, como o Rivadávia Correa Meyer, o Paulo Azeredo, o Adhemar Bebiano. Então as pessoas colocaram que eu seria esse nome adequado. Foi uma missão que me entregaram e eu vou conduzir isso com muito orgulho e energia.

SRZD: Qual a primeira ação que faria ao ser eleito?

Thiago: A primeira ação que a gente tem que fazer se eleito é no dia 28 de novembro pagar R$ 3,5 milhões de parcela do Refis (Programa de Recuperação Fiscal). Essa é a ação imediata. O presidente toma posse no dia 26 de novembro e no dia 28 vence a quarta parcela do Refis, que é o refinanciamento da dívida tributária federal, e temos que pagar essa e mais outra parcela no final de dezembro. Sem isso, o Botafogo não consegue tirar 100% das penhoras sobre os ganhos e impede o clube de rodar. Então esse é o primeiro ato como presidente. Depois temos que voltar ao Ato Trabalhista para equacionar a dívida trabalhista. Equacionada a dívida fiscal e trabalhista, você tira os 100% das penhoras sobre suas receitas e começa a rodar o clube. Terceiro passo, tudo isso no primeiro dia de mandato, é a volta para o Engenhão. O Botafogo tem que voltar para a sua casa para poder gerar receita com esse patrimônio que é nosso.

SRZD: Como resolver o problema das dívidas do Botafogo?

Thiago: O problema é você conseguir refinanciar as dívidas. O Refis ele permite que você tenha uma dívida. No Botafogo, 20% significam quase R$ 19 milhõs. Essas parcelas caem em janeiro, se você pagar essas cinco cotas de R$ 3,5 milhões, elas caem para R$ 600 mil por mês. E o Ato Trabalhista você organiza todos os credores trabalhistas pagando R$ 1 milhão por mês. Então é isso que a gente vai fazer para equacionar a dívida.

SRZD: O Botafogo tem “Regatas” no nome. Qual o plano para o esporte olímpico?

Thiago: O remo, a nossa ideia é continuar o trabalho. O Muralha, o Daniel Cohen, o Dr. Hugo Ibeas e o Felipe Ibeas têm feito um bonito trabalho no remo do Botafogo. Nós fomos tricampeões nacionais, bicampeões brasileiros. A Chapa Azul vai continuar com essa pegada no remo. Os outros esportes, como basquete, vôlei, futebol de salão, pólo aquático e natação, vão ser trabalhados de uma maneira sustentável. Nós vamos pegar todo o networking da chapa para apresentarmos projetos de incentivos fiscais e parcerias com a iniciativa privada. O conceito e o critério vai ser sustentabilidade. Os esportes vão ter que ser sustentáveis para gerar receitas e pagar seus custos. Escolinha é uma tradição alvinegra. O Botafogo sempre encontra obstáculos na parte final porque não tem verba suficiente para competir de igual para igual com os outros adversários. A gente vai ter que ter soluções criativas, pessoas que pensam junto conosco. E a gente tem isso dentro da nossa chapa. A descentralização, que é uma das características da nossa gestão, vai permitir que os esportes que consigam captar mais, sejam mais desenvolvidos. Hoje é caixa única, entra e é dividido por todo mundo.

SRZD: E para as sedes sociais, como General Severiano?

Thiago: General Severiano está bem cuidada. General Severiano tem uma sauna muito boa, tem restaurante, tem um deck, a piscina foi reformada, as quadras de futebol ganharam coberturas. Nós vamos seguir esse cuidado. Eu tenho dentro da Chapa Azul que frequentam o clube. O Botafogo tem dois tipo de sócios. Aqueles que usam o clube na sua vida social, leva a família, pega pisicina, pega sauna. E tem o botafoguense que normalmente tem outro clube perto de casa, como Piraquê, Caiçaras, Country, os usando socialmente e o Botafogo só para votar e participar da vida política. Então o sócio que usa o clube para as atividades sociais, vai ter um calendário de eventos. Festa Junina, festival de crepes, Pagode Glorioso, que é todo segundo sábado de cada mês. Nós temos tradição de três comemorações, e isso vai continuar melhorando, continuar com uma atenção muito grande.

SRZD: Qual será a importância do Engenhão em sua gestão?

Thiago: Importância total. O Engenhão é uma fonte de receita do clube, que gera R$ 15 milhões, R$ 20 milhões de receita para o Botafogo. E nós vamos ter um conceito administrativo de shopping. É uma área carente o Engenho de Dentro, todo o shopping ali dá certo e a gente pode tentar pegar esse filão. Nós vamos dar o máximo de atividades para aquela área, como shows, usar o estacionamento para feira de carros, voltar com força total ao sócio-torcedor e customizar o Engenhão de alvinegro, que será uma das nossas metas.

SRZD: Como sua gestão trabalhará com o plano de sócio-torcedor?

Thiago: A gente acha que o sócio-torcedor do Botafogo não é bem feito. A gente acha que o sócio-torcedor pode melhorar muito o tratamento com a torcida, a forma de pagamento, a rapidez no atendimento, a rapidez na entrada do estádio. Queremos um sócio-torcedor que agrade, que seja modular, que possa ter aquilo que o sócio-torcedor quer. Hoje a gente tem uma pesquisa que mostra que o sócio-torcedor do Botafogo quer desconto em produtos oficiais, vantagens em clubes de vantagem, votar e quer entrar rápido no estádio. A gente vê às vezes no Maracanã a fila de sócio-torcedor ser mais demorada do que a do cara que comprou o bilhete na hora. Além disso, tem mudanças de locais, então o sócio-torcedor acaba prejudicado. Se o jogo está marcado para o Maracanã, mas é realizado em Manaus, o sócio-torcedor merece uma explicação e uma benécia futura. Então a gente está pensando nisso.

Você ter um preço para o cara que só quer ajudar, você ter um preço maior para aquele cara que quer ver o jogo, você ter um preço para o cara que quer votar. Então a gente cria módulos de sócio-torcedor. Temos pessoas estudando as viabilidades da implantação. O voto ele precisa da reforma do estatuto, mas o que pensamos é que o sócio-torcedor que paga dois anos seguidos, ele merece votar.

SRZD: Qual será a relação da sua gestão com as torcidas organizadas?

Thiago: Vai ser a melhor possível. Eu gosto muito das torcidas. Eu acho que o Botafogo tem uma torcida maravilhosa, a torcida do Botafogo nunca abandona o time, a gente pode sempre contar com ela. A torcida do Botafogo é maravilhosa. Eu pretendo me relacionar bem. Eu conheço todo mundo. Eu conheço as pessoas da Fúria, da Torcida Jovem, da Loucos, da Fogoró, da Botachopp, da Resistência. O que eu não posso, e eu já falei para eles, é patrocinar violência. Isso eu não vou fazer porque a violência afasta as famílias. E as famílias, quando a renda é boa, elas se tornam a maioria. As organizadas, quando o jogo é de pouco apelo, quando o Botafogo vai mal, aí elas responde. Aquela renda de 3 mil pessoas, aí as organizadas tomam um peso grande. Mas eu, por exemplo, não gostaria de estabelecer uma relação de dinheiro.

Eu gostaria de estabelecer uma relação de ajuda. Então o que eu penso? Eu penso que quando o Engenhão voltar a ser nossa casa, eu, por exemplo, poderia destinar uma sala para que as torcidas guardem o material, eu poderia ceder o salão nobre do Botafogo para eles fazerem uma festa para servir de arrecadação de dinheiro para que paguem novas bandeiras. Eu vejo a torcida organizada para enfeitar o estádio, eincentivar o time, tornar o Botafogo vibrante e causar interesse nos pequenos alvinegros. Quem mais gosta de torcida organizada é criança. Mas volto a afirmar: brigou, se envolveu em confusão, está jogando contra o Botafogo. Aí não vai ter meu apoio. Então tem que ter uma relação sincera e de responsabilidade. Isso é o que eu pretendo fazer dentro do Botafogo.

SRZD: Qual será o plano para o futebol profissional e categoria de base?

Thiago: A base vai ser a obsessão da nossa gestão. Um clube que não tem dinheiro para contratar como o Botafogo, ele tem que pensar as categorias de base de uma forma muito séria. A verticalização do futebol: sub-13 ao profissional jogando da mesma forma, com a mesma escola, com o mesmo DNA alvinegro. A base já tem a metadologia implantada, mas não tem infraestrutura. A Chapa Azul vai dar um centro de treinamento para o Botafogo no primeiro dia da gestão dela. Não vai ser um centro de treinamento próprio ainda. O mandato são três anos. No primeiro dia eu viabilizo o centro de treinamento para as categorias de base e depois, através de parceria com a iniciativa privada, a gente monta o nosso CT definitivo.

No futebol profissional eu tenho várias pessoas dentro da Chapa Azul que militam na área do futebol há mais de 20 anos. Antônio Rodrigues e seu filho Marcos Paulo, João Paulo Magalhães Lins, Alberto Macedo, Tristão, André Luis, André Silva, Manoel Renha, Clóvis Macedo de Lins Ferreira, Vantuil, Gérson. São pessoas que trabalham com futebol, que têm um networking no futebol, que falam muito bem com as pessoas que mandam no futebol atualmente. Então o Botafogo se prepara para o futuro com a implantação das novas regras da Fifa e se prepara para o presente através do networking desse imenso número de pessoas importantes que compõe a Chapa Azul.

SRZD: E Jefferson permanece para vocês?

Thiago: Para nós continua e eu vou tentar isso. Tomara que ele não tenha saído antes de a gente entrar. A gente sabe que a situação do Jefferson é uma situação que não é fácil porque o Jefferson ganha bem, é o nosso maior ídolo, é o goleiro da Seleção Brasileira. Eu sou botafoguense fanático, é claro que eu quero contar com ele, claro que ele é o meu maior ídolo. E eu vou fazer força para isso. Mas a gente ouve falar que ele já está tendo propostas, que ele está tentando ser seduzido. Eu também sei que depende da minha permanencia na Série A. Eu não acredito que o goleiro da Seleção Brasileira vai querer jogar a Série B do campeonato. Eu acho que isso pode enfraquecer a concorrência. Esse é o panorama que estou esperando. No Botafogo ele é o maior ídolo, é a maior estrela, ele é rei. Nos outros clubes não sei.

SRZD: Como o senhor vê a administração de Maurício Assumpção?

Thiago: Eu vejo uma administração que começou bem, que deu esperanças para o torcedor, que ganhou o campeonato (Carioca) de 2010. E vejo uma administração que está acabando muito mal, acabando sem dinheiro, devendo a todo mundo, com um time caindo pelas tabelas, sem comando. Eu acho que faltou para a administração Maurício Assumpção começo, meio e fim. E o fim está sendo melancólico.

SRZD: Que recado o senhor daria para a torcida alvinegra?

Thiago: Eu diria para a torcida do Botafogo, principalmente para o sócio do Botafogo, que ele pode confiar na Chapa Azul, a chapa de união do Botafogo, que ele dê o seu voto na Chapa Azul no dia 25 de novembro. Nós somos a chapa mais preparada e mais comeptente para enfrentar os inúmeros problemas que o Botafogo vai ter principalmente no ano de 2015. Podem confiar na Chapa Azul e obrigado pelo voto.

Fonte: SRZD