Após meses de silêncio, o goleiro Jefferson, do Botafogo, desabafou e confirmou que fará uma nova cirurgia no braço esquerdo na quinta-feira. Ao lado do médico do clube Luiz Fernando Medeiros, no CT de Várzea das Moças, ele explicou a necessidade de um novo procedimento, que deverá deixá-lo afastado dos campos por mais seis meses. A operação será feita numa clínica da Zona Sul do Rio por uma equipe médica particular.

Em maio deste ano, o goleiro sofreu lesão no tríceps do braço esquerdo e, segundo o cronograma de recuperação, voltaria depois três ou quatro meses. Porém, após o prazo, Jefferson iniciou trabalho mais intenso e voltou a sentir dores no local. Incomodado com a situação, ele procurou uma segunda opinião, que indicou nova cirurgia.

— Nesse meio, algumas pessoas fazem escondido. Eu comuniquei ao Botafogo que precisava ouvir uma segunda opinião de um especialista de ombro e cotovelo. Consultei o dr. Márcio, que constatou que a lesão estava permanente no local. A esperança é que ela pudesse se regenerar com o tempo. Demos um passo para trás, paramos de fazer os exercícios. Fiquei duas semanas parado. Melhorou um pouco, mas quando voltei não consegui fazer o meu trabalho. Em acordo com o Botafogo, o médico constatou a necessidade de uma segunda cirurgia. É um momento muito triste que estou passando, delicado, nunca passei por isso na minha carreira. Mas chegamos no limite, que somente uma segunda cirurgia para resolver o meu problema — disse Jefferson.

Medeiros não quis confirmar o prazo de recuperação antes da cirurgia. Mas, extraoficialmente, não deve ser menor do que seis meses. Assim, o goleiro ficaria fora do Carioca e parte da Libertadores, caso o alvinegro confirme a vaga.

— A ideia é abrir, inspecionar e corrigir a cicatrização que ainda não ocorreu. A gente prefere dar um prazo apenas depois da cirurgia, que vai acontecer amanhã. A primeira cirurgia ocorreu de acordo com o que a gente esperava. Não houve nenhuma intercorrência, mas ao serem exigidos os tendões ainda causam dor ao Jefferson. Uma parte cicatrizou, outra parte não. É difícil dizer. Complicações cirúrgicas acontecem com qualquer um. São coisas que podem acontecer com qualquer tipo de cirurgia — afirmou o médico.

Fonte: O Globo Online