Depois de eliminar Colo-Colo, Olimpia, Estudiantes e Atletico Nacional, que, juntos somam 10 títulos da Libertadores, a chance de o Botafogo enfrentar mais um ex-campeão do torneio era de uma em oito. Aconteceu. O sorteio definiu que o Nacional, do Uruguai, único entre os possíveis adversários que já venceu a competição, será o adversário nas oitavas de final contra o alvinegro. O primeiro jogo será no começo de julho em Montevidéu; e o segundo, no início de agosto no Engenhão.

O Nacional venceu a Libertadores três vezes: 1971, 1980 e 1988. É o clube recordista em participações, e, além dos títulos, tem outras três finais no currículo. A última grande campanha foi em 2009, quando foi eliminado pelo Estudiantes na semifinal. A boa notícia para a torcida do Botafogo: o time participou das últimas 21 edições do torneio, mas só chegou até as quartas de final em três oportunidades.

O Nacional, time do coração do atacante Loco Abreu, ídolo dos dois times, é o atual campeão uruguaio, título conquistado no fim do ano passado. Este ano, ficou com o vice no Torneo Apertura (que garante vaga na semifinal do nacional, no fim do ano), o campeão foi o Defensor.

Na Libertadores, apesar da classificação, o time não foi bem. Só chegou às oitavas, porque a Chapecoense foi punida com a perda de três pontos após a escalação de um jogador irregular. É o time com a pior campanha entre os 16 classificados.

O destaque do time é o atacante Rodrigo Aguirre, de 22 anos, artilheiro do time na temporada com nove gols em 19 jogos. Seu maior trunfo, porém, pode ser o acanhado Estádio Parque Central, onde tem mandado a maioria de seus jogos, em detrimento ao histórico Centenário.

O presidente da Conmebol, Alejandro Dominguez, pretende mudar a forma da final da Libertadores do ano que vem. Em vez de dois jogos, haveria jogo único em local neutro. Entre os candidatos estão o Maracanã e o Estádio Nacional de Lima. O prefeito Marcelo Crivella manifestou interesse de ter o jogo no Rio.

Fonte: O Globo Online