Representante de Jóbson na parte esportiva, o advogado Marcos Motta mandou cartas à Fifa e à AFC (Confederação Asiática de Futebol) com reclamações contra o Al-Ittihad, clube que prendeu o passaporte do jogador brasileiro e o impede de deixar a Arábia Saudita. Enviados na terça-feira, os documentos têm pedidos de investigação do time e até sua exclusão da Liga dos Campeões da Asia.

O Al-Ittihad e Jobson, cujos direitos pertencem ao Botafogo, vivem uma disputa desde o meio de maio quando foi rompido o contrato do jogador. O atleta reclamava de salários não-pagos, e o clube alegava que ele não aceitara fazer exames antidoping e por isso fora suspenso por quatro anos. Depois da rescisão, o time árabe segurou seu passaporte, e impede a sua saída do país.

“Estamos com posição bastante enérgica neste caso porque já tivemos problemas com esse clube antes. Não pagam salários, cortam acomodação, deixam o jogador sem dinheiro e prendem o passaporte” afirmou Marcos Motta, que atua em cortes da Fifa. “Depois, chamam o jogador para uma reunião, e com o passaporte em cima da mesa, pedem para que assine um acordo para abrir mão de todos os seus direitos, como os atrasados. Se assinar, eles liberam.”

O advogado lembrou de outros quatro jogadores que foram representados por ele contra o clube árabe: Obina, Lima, Renato Cajá e Diego Souza. No caso do ex-palmeirense, o Al-Ittihad também prendeu seu passaporte e tentou pressioná-lo a assinar um acordo.

“O Jobson está sozinho. Mas já falamos para ele não assinar nada. Na Arábia Saudita, o empregador é responsável pelo empregado então fica com seu passaporte. Além disso, o jogador precisa de um visto do clube dizendo que não deve nada para poder deixar o país”, explicou Motta, que espera uma liberação do jogador por conta da pressão e repercussão internacional do caso.

Para a Fifa, o advogado pediu que seja aberta uma investigação contra o clube por conta dos casos recorrentes e entende que seria justo que houvesse proibição de contratação de novos atletas. O problema é que, até agora, a entidade só deu multas e obrigou o Al-Ittihad a pagar dívidas. O caso de Diego Souza ainda está em julgamento.

Na Confederação Asiática, Motta luta para que o clube perca sua licença da entidade, o que o impediria de participar da lucrativa liga dos campeões.

Fonte: Blog dp Rodrigo Matos - UOL