Um dos assuntos mais abordados na coletiva de imprensa do técnico Alberto Valentim nesta sexta-feira foi Diego Souza. O camisa 7 do Botafogo passou a amargar o banco de reservas nos últimos jogos, mas entrou no segundo tempo e marcou, de pênalti, na vitória sobre o Avaí por 2 a 0, na rodada passada. Valentim disse que ficar como opção no banco não é demérito algum e que trata todos do elenco igualmente.

– Aqui no Brasil tem uma coisa que parece que é um demérito. Quando o jogador não inicia uma partida, parece que está pecando. Ou aconteceu alguma coisa de mal-estar. Simplesmente foi opção técnica e tática dentro do que estamos precisando. Como aconteceu no último jogo, os jogadores que entram no decorrer dos jogos são muito importantes. Vencemos o jogo. Usamos os jogadores que vêm do banco para fazer que a equipe melhore ou para manter o ritmo. Os jogadores que estão no banco têm que estar preparados. Quando vou mostrar o vídeo para os jogadores, cito sempre todos da posição. Falo da posição toda e não só do jogador – disse Valentim.

O treinador alvinegro fez questão de elogiar Diego Souza e exaltou a possibilidade de usá-los em duas posições diferentes – como centroavante ou como um camisa 10, como já fez o antigo treinador, Eduardo Barroca.

– Diego é um jogador muito representativo para o clube. Já tive conversas particulares com Diego e faço tudo isso com todos os jogadores. Acelera nosso processo de nos conhecermos. Com ele no banco, a torcida pede. Já falei em outras oportunidades que conseguimos usá-lo como camisa 10 ou 9. Fazendo a função de falso 9. Ele tem características de armar o jogo, já jogou em posições mais baixas – explicou.

Fonte: Redação FogãoNET