Usamos cookies para anúncios e para melhorar sua experiência. Ao continuar no site você concorda com a Política de Privacidade.

Jogos

Carioca

25/04/21 às 18:00 - Nilton Santos

Escudo Botafogo
BOT

X

Escudo Macaé
MAC

Carioca

17/04/21 às 16:00 - Maracanã

Escudo Fluminense
FLU

1

X

0

Escudo Botafogo
BOT

Copa do Brasil

14/04/21 às 21:30 - Frasqueirão

Escudo ABC
ABC

1

X

1

Escudo Botafogo
BOT

André Bahia: ‘Flu entrou em contato e fez proposta. Eu nunca disse que iria’

0 comentários

Compartilhe

André Bahia diz que a ficha ainda não caiu. Autor do heroico gol que garantiu a classificação do Botafogo aos 50 minutos do segundo tempo contra o Ceará, ele lembrou dos momentos finais da partida em entrevista por telefone ao GLOBO na tarde desta quinta-feira e revelou que, não fossem os gritos de companheiros no banco de reservas, talvez não estivesse no lugar certo e na hora certa para acertar o belo chute de fora da área.

— Depois que o Ramírez empatou, perguntei para o Mancini e ele disse que faltavam dois minutos, mas já não estava acreditando mais. Foi quando vi o Dankler e o Júnior César acenando no banco para ir para frente. Pedi e o Mancini autorizou. Fui para frente, mas perdemos a bola e não sabia mais o que fazer, se voltava ou se ficava parado. Fiquei pelo meio do caminho, esperando e rezando — conta o zagueiro, que ainda está em Fortaleza e volta à noite para o Rio com os companheiros. — Depois, vi o Andrey chutar, o Tanque resvalou para o Ramírez. Achei que ele ia sofrer uma falta, mas esperei a bola. O homem lá de cima me colocou no lugar certo. O gol foi fora dos padrões porque nunca tinha feito um gol dessa maneira, eram sempre gols de cabeça ou em jogada na área. Vai ser inesquecível.

Aos 30 anos, André Bahia vive seu melhor momento no Botafogo, em que chegou no primeiro semestre de 2013. Antes mesmo de Dória ser negociado com o futebol francês, ele já havia ganhado a posição ao lado de Bolívar. No Brasileiro e na Copa do Brasil, ele soma 10 jogos (e nenhum cartão amarelo), assiduidade entre os titulares que ainda não havia encontrado no alvinegro.

— Zagueiro e goleiro são posições em que tem que errar o mínimo possível. Quando você joga pouco, sabe que, quando entra, tem que ser erro zero. Se errar, ficar difícil ter outra oportunidade depois — disse.

Antes apenas opção entre os reservas, André Bahia por pouco não foi parar num rival. Na semana anterior ao clássico com o Fluminense, em 17 de agosto, o primeiro de sua sequência de jogos como titular, Bahia recebeu uma proposta justamente para o clube das Laranjeiras.

— Houve uma pessoa do Fluminense entrando em contato no dia do jogo com o Atlético-PR (no domingo anterior). Aquela foi uma semana ruim, quando seis jogadores não receberam (salários). Foi uma semana truculenta, a situação mais pesada neste um ano e meio no Botafogo — lembra o zagueiro. — Eu estava super focado para entrar bem no jogo. Deixei isso (a negociação) com o meu empresário. O Fluminense formalizou uma proposta na quarta ou na quinta feira e, quando chegou à véspera do clássico, fez outra proposta com valores interessantes. Estava tão turbulento o momento que eu só queria jogar, deixei para ver isso depois. Na segunda-feira, o Fluminense teve reunião e formalizou outra proposta, mas o Botafogo não quis a liberação. Em nenhum momento eu disse que ia ou não.

Com contrato até dezembro, o jogador vive agora a expectativa de terminar o ano como titular, e também sobre seu futuro.

— Todos os jogadores vivem essa expectativa. Tem eleição em novembro, mas estou esperando para ver o que acontece. Estou focado para dar continuidade, ir bem em cada jogo. Se o Botafogo sinalizar alguma coisa, vamos esperar para projetar o futuro — afirma.

Comentários