São três rodadas sem vencer, sendo duas derrotas consecutivas. Apesar do cenário negativo no momento, o técnico Eduardo Barroca acredita que ainda não é hora de se alarmar. Em 11º lugar, com 27 pontos, o Botafogo está no meio da tabela. A diferença para o último time do G-6 ou o primeiro do Z4 é a mesma: oito pontos.

Por isso, o treinador alvinegro relativiza a sequência ruim dentro de um contexto financeiramente complicado do clube (salários atrasados são a constante do ano). E exime de responsabilidade seu grupo, formado, em sua maioria, por jovens. Na derrota de quarta-feira para o Bahia (2 a 0), por exemplo, o jogo terminou com quase metade de atletas oriundos da base.

— A gente precisa ter ciência do momento que estamos passando enquanto instituição. Desportivamente, os jogadores vão ter sempre de mim uma figura que vai protegê-los. Que vai fazer as cobranças e ajustes desportivos, mas um treinador que vai blindá-los diante da dedicação que eles têm tido — disse o treinador, colocando a derrota em Salvador na expulsão de Gilson, que considerou exagerada.

Na segunda-feira, o Botafogo enfrenta o Fortaleza também fora de casa. Eduardo Barroca não nega a instabilidade técnica da equipe, mas confia no seu elenco para chegar mais perto do topo da tabela:

— Esse é o time que temos para tentar voltar a crescer na competição, buscar grandes coisas no Brasileiro. Precisamos saber passar por esse momento, não transferir responsabilidade para que a gente se recupere desse resultado e consiga fazer um grande jogo contra o Fortaleza.

Fonte: Extra Online