A expectativa toma conta de torcedores nesta reta final de Brasileirão. Confiantes por estar na Copa Libertadores de 2018, equipes medem forças e fazem as contas para saber qual é o melhor rumo de obter um dos lugares na zona de classificação. No entanto, o mistério quanto à lista de vagas persiste: o atual G7 pode se tornar um G8 ou até um G9, dando margem para representantes do mesmo estado estarem em massa na competição continental.

Atualmente no G4, o líder Corinthians, além de Santos e Palmeiras estão com suas classificações encaminhadas. O Rio de Janeiro também está bem. O aumento de vagas pode abrir espaço para mais um carioca: além de Botafogo e Flamengo, que estão no G7, o Vasco tem chances de abocanhar um espaço.

Aos olhos dos especialistas do LANCE!, este cenário é visto como um sinal de alerta quanto à duração dos estaduais no calendário atual. Eduardo Tironi acredita que a tendência é de um “esvaziamento” regional:

– De certa forma, aconteceu este ano com o Botafogo, por exemplo, que fez boa parte do Estadual para cumprir tabela. Se nove times estiverem na Libertadores, é natural que isto aconteça. E acho correto. Os Estaduais atuais não cabem mais no calendário brasileiro – afirmou o colunista.

Já para o editor Eduardo Mansell, o debate fica mais extenso: os estaduais e o Brasileirão precisariam de ajustes.

– O crescimento da Copa Libertadores, da Sul-Americana e da própria Copa do Brasil amplia a discussão sobre os Estaduais e o próprio Brasileiro. Com a possibilidade de G9, acredito que o Brasileirão poderia aumentar os participantes para 22 ou 24. O país tem tamanho de continente. Mas para isso o Estadual precisa reduzir suas datas. Tem seu charme, mas hoje deveria ser torneio de pré-temporada, com poucas datas.

Fonte: Terra