Desfalcado de nomes como Matheus Fernandes e Ezequiel e sem histórico de boas campanhas na Copinha, o Botafogo, que nesta quinta-feira, às 16h30, enfrenta o Desportivo Brasil pela segunda fase do torneio, na Arena Capivari, surpreende na Copa São Paulo de Futebol Junior.

O Alvinegro, comandado por Eduardo Barroca, encerrou a primeira fase da competição com 100% de aproveitamento, o ataque mais positivo (13), ao lado do São Paulo, o melhor saldo de gols (11) e ostentando a maior goleada, o 7 a 0 sobre o River-PI, na segunda rodada. E qual é a razão do sucesso? Ele explica: o Glorioso tem que ser o protagonista do jogo.

– A base do meu trabalho consiste em formar o jogador do Botafogo para ser protagonista com a bola. O Botafogo é um clube que precisa sempre propor o jogo e a base do meu trabalho é essa: que a gente tenha o domínio do jogo independentemente da partida, adversário ou competição. A história e o DNA do clube pedem isso e o meu trabalho é conseguir formar jogadores para o profissional tendo recebido esse tipo de estímulo. Foi muito importante ter iniciado essa primeira fase dessa forma – comentou o treinador, em entrevista ao site oficial do clube.

Barroca tem 35 anos e está no clube desde 2016. De lá para cá, disputou 12 (13 com esta Copinha) competições, ganhou quatro títulos e chegou em mais outras duas finais. Acostumado a jogar mata-mata pelo Botafogo, ele garante: não será agora, onde uma derrota elimina o time, que o Alvinegro vai deixar de lado a vocação ofensiva.

– O conceito do trabalho e da formação segue o mesmo. Vamos jogar as eliminatórias sempre tentando propor o jogo, jogando para ganhar, para ter a bola o tempo todo e agredir o adversário, até porque não sabemos fazer de outra forma, é uma característica dos jogadores que estão trabalhando comigo há algum tempo. Com certeza a nossa ideia de ser protagonista vai continuar até o final – finalizou.

Fonte: Terra