No dia de reapresentação do Botafogo, Anderson Barros, gerente de futebol, foi quem apareceu para conceder entrevista coletiva e comentou sobre assuntos que estão borbulhando sobre o clube, sobretudo após a segunda derrota consecutiva, agora para o Flamengo, no último sábado, pelo Brasileiro.

Salários atrasados, indisciplina de Rodrigo Aguirre, rendimento do time agora comandado por Marcos Paquetá e as situações dos goleiros (confira aqui) foram as questões abordadas na sala de imprensa do Nilton Santos, logo após o treino dos jogadores reservas – os titulares fizeram regenerativo de manhã.

Barros sublinhou a situação financeira delicada e afirmou que o clube tem também encontrado dificuldades para vender jogadores. No entanto, mostrou que os responsáveis pela direção estão no controle da situação.

– O mais importante é termos consciência sim de que a situação financeira é delicada. Mas o futebol não pode ficar atrás. Temos que entender que é um momento que o clube vive. Temos dificuldades para contratar, mas não podemos justificar o tempo inteiro atrás de uma situação financeira. Situação que a gente já vem administrando há alguns anos. Situação que temos capacidade de administrar toda essa situação – comentou, completando:

– Há um planejamento, necessidade de negociação, mas o Botafogo precisa entender o mercado. Matheus Fernandes e Igor Rabello, que têm normalmente seus nomes veiculados, vão acabar acontecendo em algum momento se não acontecerem agora (vendas). Não podemos vender se não houver interessado.

O gerente de futebol também externou que os salários de junho estão pendentes, pois o clube paga até o dia 10. Sobre o rendimento do Glorioso em campo, além de ter cobrado reação na próxima rodada, contra a Chapecoense, na quinta-feira, em casa, Anderson Barros vê com bons olhos o início de trajetória de Marcos Paquetá.

– O Botafogo é isso. Nosso torcedor cobra, nosso torcedor sente, e isso faz parte. Sabíamos que na volta da Copa tínhamos dois jogos complicados por natureza. Jogamos com o Corinthians na casa deles e jogamos com o Flamengo como mandante no Maracanã. Time se portou bem contra o Corinthians tendo tomado gol no início, como aconteceu contra o Flamengo. O jogo com o Flamengo era extremamente perigoso. Se o adversário faz mais um, já viraria uma goleada – falou.

E SOBRE AGUIRRE

No fim da coletiva, Anderson Barros também foi questionado a respeito do péssimo começo de Aguirre, emprestado pela Udinese até meados do ano que vem. O cartola alvinegro foi enfático na resposta e admitiu que o retorno no investimento, por enquanto, não é o esperado.

– Contra o Corinthians, acho que quando ele tomou o amarelo já poderia ter recebido o vermelho. Contra o Fla, acredito que poderia ter tomado só amarelo. O mais importante é que precisamos entender que Aguirre é um jovem, tem só 23 anos, está se dedicando. Não está conseguindo render, mas acho que precisamos de um pouco de equilíbrio para entender o momento. Sabemos que ele tem alguma qualidade e tirar dele o melhor – disse.

– Foi um investimento que o clube fez, e precisamos tirar o retorno dele. Precisamos entender para tirarmos o melhor dele – finalizou.

Fonte: Terra