Pior do que perder para o rebaixado Atlético-GO, time que o incompetente Botafogo foi incapaz de vencer esse ano, foi a atitude de Bruno Silva desafiando a torcida do Botafogo no Nilton Santos.

O gesto, que não foi impensado, diferente do que muitos imaginam, deixa evidenciado que o Botafogo é hoje um clube sem comandado e que a diretoria não tem moral e crédito algum com elenco.

Bruno Silva não é culpado. A responsabilidade de escalar um jogador já negociado é do Botafogo e daqueles que supostamente dirigem o clube.

Antônio Lopes e aqueles que o cercam são burros ou se fizeram de ingênuos. Sim, porque o comportamento em campo do atleta desde a saída para o Cruzeiro foi de desrespeito com a instituição Botafogo e com o torcedor. Bruno Silva se poupa visivelmente e tem sido absolutamente descompromissado diante dos olhos daqueles que ainda pagam seus salários. E em dia.

Não dá para livrar a cara de Jair Ventura.

Para quem diz conhecer o grupo ‘com a palma da mão’, faltou sensibilidade ao técnico ao insistir na escalação do meia. Proteger Bruno Silva e ficar do lado do jogador, como boa parte do grupo fez, é arriscado. Jair aos poucos vai perdendo a condição de intocável por atitudes como a de ontem.

Jair é ou se faz de inocente.

Não pense ele que os jogadores vão abraçá-lo se a casa cair. Será ele justamente o primeiro a cair se o Botafogo continuar descendo a ladeira.

A farsa está perto do fim.

O torcedor, aquele que paga e cara o ingresso, tem todo o direito de protestar. O Botafogo nunca teve obrigação de se classificar para a Libertadores. Agora tem.

Eles que se virem dentro de campo.

E se a direção tiver um pingo de vergonha cara determinará que Bruno Silva seja afastado e não jogue mais pelo Botafogo.

Fonte: Blog do Bruno Voloch - Gazeta Esportiva