O Botafogo já foi rebaixado duas vezes. Já perdeu a final da Copa do Brasil para o Juventude diante de mais de 100 mil pessoas. Já passou vergonha com 3 a 0 do Flamengo na primeira partida da final do Brasileiro de 92. Já recebeu a vingança do mesmo rival ao sofrer 6 a 0. Já foi eliminado na Copa do Brasil por Gama, Americano, Ipatinga, Paulista e Remo.

Nada, repito, nada disso foi mais vergonhoso do que o que aconteceu nesse 27/06/15. Perder para o Macaé, em qualquer competição, já é inaceitável. Perder para o Macaé num Campeonato Brasileiro que vale vaga de acesso à Primeira Divisão é imperdoável. Sofrer 3 gols em meia hora é um vexame sem precedentes na historia do clube, independente do que digam René Simões e os jogadores.

É necessário que haja cobrança, interna e externamente. Do técnico ao centroavante. Pior do que perder para o Macaé, com todo respeito ao clube, que até faz campanha muito digna, é ser atropelado em campo. Foram quatro gols que poderiam ter sido dez, sempre com bolas alçadas por jogadores desmarcados, encontrando atacantes que passeavam dentro da grande área.

Não vi nenhuma entrevista pós-jogo e nem pretendo. Espero que rolem sanções e muita roupa suja lavada. A resposta precisa vir em campo, com uma atuação de gala contra o Sampaio Correa. E, claro, que o que aconteceu hoje, em Macaé, não se repita nunca mais. Isso para dizer o mínimo.

Começando por René Simões, que nunca me enganou. É notável que Daniel Carvalho é o único jogador ofensivo tecnicamente digno em nosso elenco. Ele não pode, em hipótese alguma, sentar no banco de reservas enquanto assiste Diego Jardel e cia. Caso não suporte os 90 minutos, é preferível que comece a partida, visto que não criamos nada sem ele. O que vier depois, sinceramente, é lucro.

Nosso técnico (?) não pode fazer inserções a seu bel-prazer. Surgir com Fernandes como titular após uma série enorme de jogos sem sequer colocá-lo no decorrer das partidas mostra uma discrepância e total falta de critério e coerência. O mesmo pode-se dizer a respeito de Andreazzi, que nem relacionado era até as saídas de Mattos e Aírton. Não é agora que ele vai virar bom jogador, seu imbecil.

Quanto ao time, sinto vontade de xingar cada um desses merdas que mancharam nossa história na tarde de hoje. Nada é bem realizado quando feito de má vontade. Prefiro acreditar que uma pequena sequência de vitórias contra adversários medíocres não tenha mascarado as fraquezas desse elenco de jogadores para eles mesmos: precisam saber que não farão muito mais do que subir de volta para a elite do futebol brasileiro.

Poderia mandar o Bill à merda, dizer ao Jardel o quanto ele é um bosta ou culpar o horroroso do Luis Ricardo por permitir todo e qualquer cruzamento vindo da nossa lateral esquerda. No entanto, pelo menos na partida de hoje, seria injusto. Não por não ser verdade, mas porque o time todo foi uma tragédia. Salvo, talvez, o Daniel Carvalho, que entrou atrasado e acabou achando dois gols contra um adversário frágil. E só.

Não quero me alongar, até porque a minha falta de paciência, aliada ao meu excesso de vergonha, não permite. Mas precisava registrar esse sentimento de vexame e impotência diante de tantos imbecis vestindo um manto que representa um clube centenário, tradicional e gigante.

Nunca foi dito que a missão da Série B seria fácil, pelo contrário; reerguer um clube enorme é sempre uma missão árdua para qualquer um. No entanto, esse objetivo torna-se inalcançável diante de um grupo de jogadores soberbos, babacas e incompetentes. Espero que suem sangue para que no fim do ano, talvez, eu tenha esquecido o dia de hoje.

Fonte: Blog Preto no Branco - ESPNFC.com