Confronto que sempre dá bom jogo _ mais pela voluntariedade dos jogadores, menos pela qualidade dos times.

É raro o empate sem gols.

O último foi no Brasileiro de 2010.

Desde então, foram 28 partidas com pelo menos um gol.

Contando, é claro, com este 2 a 1, no Estádio Nílton Santos.

Placar que não retrata a superioridade tricolor, que teve mais intensidade e volume desde o gol sofrido a 1m45s de jogo.

A falha de Renato Chaves na saída de bola foi assimilada sem trauma e o time de Abel Braga, que há dias saiu da Sul-Americana, teve força e ímpeto para virar.

Foram 61% de posse e 425 toques na bola, contra 39% de posse do adversário, com 255 toques _ dados do Footstats.

O Botafogo sentiu falta de João Paulo ou de um meia que arrumasse o setor, retendo a bola e ajudando a compactar das linhas.

Mas o que assustou mesmo torcida foi a falta de lucidez, a desorganização e a pouca efetividade do time que busca vaga entre os quatro melhores do Brasileiro.

Fonte: Blog do Gilmar Ferreira - Extra Online