Estão atrasadas as obras de reforma no Estádio Caio Martins, em Niterói/RJ. Após pintura da parte externa do complexo esportivo, ainda em janeiro, a meta do Botafogo era entregar um novo gramado nesta terça-feira (23), mas a operação ainda se encontra em andamento e não possui novo prazo de conclusão. A reestruturação completa está orçada em R$ 10 milhões e é encarada com otimismo pelo presidente Carlos Eduardo Pereira.

Localizado no bairro de Santa Rosa, o Caio Martins sofre com os descuidos do Botafogo em relação ao local. Apesar do muro recém-pintado na Rua Presidente Backer – principal entrada do estádio – os demais acessos são frequentemente pichados, e as calçadas servem de abrigo para moradores de rua. Mesmo com o gramado em péssimas condições, o campo era palco de competições das categorias de base até 2014, além de abrigar, atualmente, escolinhas oficiais do clube para crianças.

O supervisor das obras no estádio, José Basílio, explica a situação:“Pintamos a fachada no início do ano e, agora, atrasamos um pouco a reforma do gramado, mas está evoluindo. Não é uma grama de primeira linha, mas é superior à que tínhamos antes”, esclarece. Em relação às arquibancadas, Basílio revela que especialistas visitarão o local na próxima semana para analisar se há condições de os assentos na lateral do campo serem utilizados sem reforços na estrutura.

Palco de diversos jogos da equipe profissional do Alvinegro e dos outros grandes do Rio da década de 1990 até o início dos anos 2000, o “Caldeirão” – como chamado pelos torcedores – foi abandonado em 2005, quando o então presidente Bebeto de Freitas classificou o estádio como “muito pequeno” para receber jogos de um clube do porte do Botafogo. Dez anos depois, alimenta-se a expectativa de o Caio Martins voltar a receber partidas de times profissionais.

Fonte: Vavel