O Botafogo busca soluções como pode para fugir dos problemas financeiros. O balanço financeiro de 2019, divulgado pelo clube na última quinta-feira, indicou que a dívida junto ao Banco BMG aumentou em relação aos valores de 2018. Com dificuldade no fluxo de caixa, a diretoria pegou um novo empréstimo com a empresa.

Por meio de um empréstimo com o BMG, negociado por Anderson Barros, então diretor de futebol, e Carlos Augusto Montenegro, o Botafogo quitou os salários dos jogadores em relação aos meses de outubro e novembro do ano passado. Por consequência, o saldo devedor com o banco aumentou.

O Botafogo, contudo, colocou as transmissões do Campeonato Carioca como garantia junto à empresa. De acordo com o balanço, as cotas de transmissão das partidas que o Botafogo disputar no Estadual até 2024 estão acopladas neste acordo. O levantamento feito pela BDO indica que o Alvinegro pegou R$ 4,5 milhões com o Banco BMG no dia 27 de novembro do ano passado.

Em dezembro de 2018, a dívida do Botafogo com o BMG era de R$ 19,3 milhões. Com o novo empréstimo e as correções de juros, o valor aumentou para R$ 25,9 milhões. O vencimento, de acordo com o documento divulgado pelo clube, era em abril de 2021.

A cessão de direitos de transmissão de partidas que o Botafogo vier a disputar pelo Campeonato Estadual, portanto, podem sofrer consequências econômicas para os cofres do clube até 2024, vide os seguidos empréstimos com o Banco BMG – o Alvinegro também pegou um valor com a empresa em 2018.

Fonte: Terra