Duas apostas em nomes com currículos ainda curtos no mercado, mas com uma esperança em comum: a mudança. Fluminense e Botafogo têm em seus técnicos Fernando Diniz e Eduardo Barroca esperança de ares novos na parte tática que reflitam nos resultados. As equipes colocam essa escolha à prova hoje, quando se enfrentam às 16h, no Maracanã. O confronto será o primeiro clássico carioca do Brasileiro deste ano.

A predileção pela posse de bola é a característica mais marcante de ambos os treinadores, e talvez seja o que inviabilize qualquer previsão para a partida. Nas três primeiras rodadas, os números das equipes são parelhos. O Fluminense deteve, em média, 59% do tempo de posse de bola por jogo, enquanto o Botafogo ficou com ela em 58% dos minutos jogados.

O estilo de jogo ofensivo também trouxe características parecidas para as equipes em relação à média de gols marcados e sofridos: foram quatro gols marcados e sofridos em três jogos para o Botafogo, enquanto o Fluminense sofreu sete e marcou seis.

— Me identifico muito com a forma como o Diniz pensa o mundo esportivo. Procuro fazer minhas escolhas e tomar decisões pensando no lado do jogador, do indivíduo — revelou o técnico botafoguense. O Alvinegro vem de duas vitórias seguidas em casa, após estreia com derrota para o São Paulo, no Morumbi.

O Fluminense vem com a moral altíssima após uma histórica virada sobre o Grêmio em plena Arena. Todos os ingredientes de um grande — e imprevisível — jogo.

Fonte: Extra Online