O Botafogo comemora os 20 anos do título de campeão brasileiro de 1995. O clube está produzindo um documentário que está sendo feito com os principais personagens da história. Para isso, o Alvinegro encerrou uma mágoa com um de seus ídolos: Túlio Maravilha. O ex-atacante estava brigado com a antiga diretoria, que não realizou o projeto dos mil gols como prometido, o que rendeu até um processo.

“Os ex-jogadores continuam participando do clube apesar de problemas judiciais. Sempre houve essa ligação. A história do clube está acima disso. Não sabemos como isso acontecerá na Justiça. Os ídolos ficam na história. O problema do projeto “mil gols” ficou para trás. Esse projeto é outra coisa. Oxigênio renovado para os dois”, disse Júlio Gracco, do departamento de marketing e um dos diretores do documentário ao lado de Gabriel Baron.

Agora isso já é página virada para Túlio e Botafogo. Problemas judiciais à parte, o clube quer mesmo é fazer um documentário, que terá duração de 20 minutos e será apresentado no Cinefoot, em maio. Há uma negociação para estender por mais dez minutos. Além disso haverá um evento em General Severiano, onde o filme será transmitido – existe a possibilidade de ser uma versão estendida, com cerca de uma hora.

“Pegamos esse projeto há um mês e está dando tudo certo. Tudo que planejamos captação de dinheiro, viagens… Tudo tem funcionado perfeitamente. Estamos com parceira com as produtoras 24P e Zuêra. Gravamos com duas câmeras para ficar com duas opções de imagem. Isso não deixa chato para o telespectador. Teremos imagens recuperadas da Globo. Vamos passar pelos jogos. Sonoras e entrevistas antigas. Narrações de rádio. O objetivo é emocionar os botafoguenses. Mas os admiradores do futebol também vão gostar”, afirmou Gabriel Baron.

Em crise financeira, o Botafogo não gastará dinheiro com a produção do documentário, que será totalmente financiado por sócios. O documentário será gravado em DVD que não será comercializado. Apenas que contribuiu financeiramente será presenteado. Ainda existe algumas cotas, embora a meta esteja quase atingida. Elas variam entre R$ 50,95 até R$ 600,95.

“Todos estão com a cabeça muito viva. Não esquecem dos detalhes. E contam tudo. Não será chapa branca, teremos um conteúdo jornalístico, com tudo o que as pessoas gostam de ver. A vida deles foi impactada pela conquista. Existe um antes e depois da conquista. O projeto está voando. Sócio e conselheiros financiaram. Estamos atrás do Paulo Autuori [técnico da conquista]e Sergio Manoel, que estão no exterior”, completou Gracco.

O documentário tem a direção de Julio Gracoo e Gabriel Baron, com produção executiva de Gabriel Assis e Kauê Lima. O curta representa um marco na história do clube, que jamais havia feito um projeto como este, chegando inclusive ao cinema. Além do filme, o Botafogo projeta um ano repleto de comemorações pelos 20 anos do título brasileiro. Uma revista e um camisa retrô estão nos planos.

Fonte: UOL