A vontade de Rony não deve prevalecer. ​Já anunciado como reforço do Botafogo, o atacante quer permanecer no Rio de Janeiro, mas o destino mais provável é mesmo o Japão. O gerente de futebol alvinegro, Anderson Barros, conversou com a imprensa nesta terça-feira (16) e declarou que não existe negociação com ​o Albirex Niigata-JAP, que exige o retorno do jogador. Os cariocas agora apenas aguardam a indenização por parte do Cruzeiro, no valor de R$ 1 milhão, enquanto o empresário do atleta ainda tenta uma reviravolta.

De acordo com Anderson Barros, não existe a possibilidade de o Botafogo receber outro jogador do Cruzeiro por esta negociação. O dirigente explicou também que não está em busca de um reforço para substituir Rony. A ideia é observar os garotos Lucas Campos e Ezequiel no Campeonato Carioca e, só após o Estadual, avaliar se será necessário buscar uma peça para o setor.

Ainda sobre a negociação que envolveu o atacante Rony, Anderson Barros confirmou que o Botafogo segue com 20% dos direitos econômicos de Bruno Silva. Apesar disso, não há hipótese do negócio ser cancelado e o atleta vai mesmo defender o Cruzeiro nesta temporada.

Entenda o caso:

O Cruzeiro vendeu os direitos econômicos de Rony ao Albirex Niigata-JAP em dezembro de 2016 por 1,2 milhão de dólares. O acordo era por uma temporada, podendo renovar por mais três. Com o rebaixamento do clube no campeonato local, o staff do atleta sinalizou que a cláusula de renovação não seria ativada.

Acreditando na liberação de Rony, o empresário e o Cruzeiro envolveram o jogador na compra de Bruno Silva. O jogador foi usado como moeda de troca para facilitar o negócio com o Botafogo.

Na última semana, a negociação travou. Isso porque o Albirex Niigata-JAP enviou uma notificação ao Cruzeiro exigindo o retorno de Rony, que já havia sido anunciado como reforço do Botafogo. Para quebrar o contrato, os japoneses cobram R$ 32 milhões. ​

Fonte: Esporte Interativo