O Botafogo já sabe o que precisa fazer. Reduzir a folha salarial para R$ 1 milhão, no entanto, não será uma tarefa fácil. Alguns dos jogadores que não estão nos planos podem decidir manter o contrato e seguir recebendo o salário já estabelecido.

O momento é de bastante conversa. A diretoria de transição está entrando em contato com o estafe dos atletas que não estão nos planos para 2020. O Botafogo buscará uma rescisão amigável com Diego Souza, Cicero, Carli e Leo Valência. Os altos salários não cabem no orçamento e, mesmo sob contrato, o quarteto não está nos planos.

Loja do FogãoNET por Estilo Piti | O Site oficial do torcedor do Botafogo | Cupom de 10% de desconto

Segundo apuração do UOL Esporte, esses atletas dificilmente vestirão a camisa do Botafogo novamente. Caso não ocorra um acordo, o afastamento do grupo deverá ser a atitude tomada pela diretoria de transição. Esse cenário não seria bom para nenhum dos envolvidos.

O recado já foi dado e há uma movimentação nos bastidores por parte dos estafes para procurar uma nova casa para seus atletas. Em alguns casos o alto salário tem sido um entrave. Ou seja, nenhum clube parece disposto a contratar esses jogadores com o atual vencimento que tem em contrato com o Botafogo.

E isso vira um dilema para os jogadores. A primeira opção é fazer um acordo com o Alvinegro e fecha com um novo clube recebendo menos, mas com a certeza de que jogará. A outra é seguir o contrato com o Botafogo e ficar em um clube onde não é mais desejado. Nesse caso, treinaria separadamente do elenco e não entraria em campo.

O Botafogo vive momento de definições para saber se conseguirá ou não a missão de reduzir drasticamente a folha salarial para a temporada 2020. A partir disso é que os reforços começarão a ser discutidos pela diretoria com mais intensidade.

Fonte: UOL