A eliminação precoce no Campeonato Carioca irritou os torcedores do Botafogo, mas, internamente, a diretoria evita procurar culpados e muito menos cogita a saída do técnico Zé Ricardo. Em comum acordo com o próprio comando do clube, a comissão técnica tratou o torneio estadual como um laboratório para o Campeonato Brasileiro e para as fases mais decisivas da Copa do Brasil e da Copa Sul-Americana, as prioridades para 2019. Justamente por conta disso que o Alvinegro estuda uma folga no orçamento para a chegada de alguns reforços considerados pontuais.

A lateral direita é uma das posições que estão sendo analisadas, apesar de Marcinho ainda contar com a confiança e o jovem Fernando ter retornado de forma antecipada da França, onde estava defendendo o Lille por empréstimo.

Outro setor analisado é a zaga, onde Joel Carli se recupera de uma cirurgia no joelho direito. Marcelo Benevenuto entrou bem e formou uma boa dupla com Gabriel. Mas Helerson ainda não transmitiu a confiança necessária. Zé Ricardo acredita que apenas três com status de titulares é pouco para o desgaste que vem pela frente.

Se a chegada de Cícero melhorou o meio-de-campo e Diego Souza é tratado como a referência para o comando do ataque, o clube ainda pensa em mais um jogador de frente. Existe porém discordância se a verba deve ser para o ataque ou para a criação de jogadas. Além disso, o Glorioso vive a expectativa de receber uma boa proposta nos próximos dias pelo meia chileno Leonardo Valencia, o que tornaria a reposição no meio de campo mais importante.

Dentro de campo o elenco começa nesta quarta-feira a preparação para o duelo de 4 de abril, a quinta-feira da próxima semana contra o Juventude no Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro (RJ), pela rodada de ida da terceira fase da Copa do Brasil.

Fonte: Gazeta Esportiva