Na próxima quinta feira o Botafogo encara o Juventude, no Nilton Santos, pelo jogo de ida da terceira fase da Copa do Brasil. O confronto remete à inesquecível final do torneio, em 1999. Com a derrota em Caxias do Sul por 2 a 1, o Glorioso precisava de uma vitória simples, por 1 a 0, para ficar com o título inédito da mesma competição. O alvinegro pressionou durante os 90 minutos, porém o gol não saiu, as equipes ficaram no empate e a festa foi dos gaúchos.

O estudante de Jornalismo Vinícius Nóbrega, de 26 anos, embora criança na época, lembra de detalhes daquela decisão. O jovem tinha Bebeto como ídolo e foi ao Maracanã naquele 27 de junho com familiares e vizinhos.

– Aquela final é a minha primeira lembrança de jogo em estádio. Eu fui para o Maracanã com a minha família e vizinhos em uma kombi. O jogo foi tenso e a bola não entrava de jeito nenhum. Lembro que no final eu estava chorando e um torcedor se aproximou e me consolou. Ele disse que eu era muito novo e ainda iria ver o Botafogo campeão muitas vezes. Isso me marcou demais.

Para Vinícius, o título colocaria o Botafogo em outro patamar no Brasil. O time da Estrela Solitária eliminou o Palmeiras, campeão da Libertadores daquele ano, na semifinal, antes de encarar o Juventude.

– Essa conquista seria um divisor de águas. Nós passamos por adversários complicados. Eu acredito que o time teria um anos 2000 bem diferente. Nós íamos bem em competições mata-mata e jogar Libertadores naquela época, seria fantástico.

O também jornalista Thiago Pinheiro, de 37 anos, estava no Maracanã com o tio. Ele recorda a dificuldade de conseguir ingresso para a partida e que não gostou da escalação do técnico Gilson Nunes.

– Foi um inferno para comprar ingresso. Eu só consegui cadeira e foi o meu único jogo no setor. Eu fiquei com muita raiva do Gilson Nunes por deixar o Rodrigo Beckham no banco. Ele vinha bem e era o grande jogador daquele time. O sentimento ao sair do estádio foi horroroso. Foi um dos meus piores dias como botafoguense.

Se o sentimento com a final de 1999 foi de tristeza, 20 anos depois a situação é bem diferente. Pinheiro se mostra confiante para o jogo do dia 4, no Nilton Santos, já que em quatro partidas de Copas, sejam elas do Brasil ou Sul-Americana, o Botafogo venceu todas e não levou gols.

– Quinta eu estarei lá. Como esse time se transforma em competições de mata-mata, acredito em um bom jogo e uma vitória por 2 a 0, gols de Pimpão e Diego Souza – apostou.

O último jogo entre Botafogo e Juventude ocorreu pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro de 2007, no Alfredo Jaconi. Tadeu marcou para os donos da casa, e Dodô deixou tudo igual para os visitantes. Agora, as duas equipes se enfrentam a partir das 21h30 desta quinta, em mais um capítulo decisivo.

Fonte: Terra