Não foi à toa que Joel Carli foi o primeiro escalado para dar entrevista coletiva na temporada de 2018. O zagueiro argentino de 31 anos é o capitão alvinegro e dos jogadores mais experientes do elenco. E será, com certeza, o representante do novo treinador, Felipe Conceição, dentro das quatro linhas. E uma das principais missões é ajudar a comandar a garotada.

Em entrevista ao “Tá Na Área” neste sábado, Carli revelou sentir prazer com a responsabilidade de liderar mais uma vez dentro de campo o grupo alvinegro. Mais adaptado ao futebol brasileiro, não vai pensar duas vezes na hora de dar broncas nos colegais mais jovens. Sonhar com a Copa da Rússia pela seleção argentina ele ainda sonha, mas sabe que não vai ser nada fácil.

– Difícil. É meu sonho, que eu não perco nunca, desse bendito Mundial, mas sei que é muito complicado e difícil. E estou muito contente, feliz em fazer o meu trabalho no Botafogo. Sinto com prazer essa responsabilidade. Tem que ajudar, apoiar. Tem que puxar muitas orelhas… Acontece muito isso no futebol o jogador chegar achando que já está pronto. E o mais difícil não é chegar, é se manter no futebol profissional. Tem que ter muita competência dentro do time. O puxão de orelha serve para que fiquem ligados, sempre tem coisa para melhorar e superar.

Mais experiente, Joel Carli diz que

Mais experiente, Joel Carli diz que “tem que dar puxão de orelha nos garotos do Bota”

Veja outros assuntos da entrevista:

FELIPE CONCEIÇÃO
– Minha relação com ele é muito boa, ele é um profissional que já estava trabalhando com a gente como auxiliar do Jair. Penso que, assim comos os jogadores, os treinadores merecem uma oportunidade.

ÍDOLO NA POSIÇÃO
– Um zagueiro que jogava pela esquerda, o Walter Samuel (ex-seleção argentina, Boca Juniors, Roma, Real Madrid, Inter de Milão). Não é a mesma característica porque ele jogava muito bem com a bola, eu não consigo (risos). Mas eu sempre o admirei.

ARGENTINA NA COPA
– Hoje está num processo em que está melhorando muito. Precisa de trabalho para a gente voltar com fé de que pode conseguir este Mundial.

ARGENTINA OU BRASIL?
– Argentina, sem dúvida. Meu filho, quando não estava certa a classificação, falou: “Pai, se a Argentina não for ao Mundial, vou torcer para o Brasil (risos).

PROBLEMAS COM LESÕES
– Eu vim de um futebol onde só jogava fim de semana, domingo, sábado. Foi difícil para mim o primeiro ano. mas no segundo ano consegui jogar, acho que 49 jogos. E a gente sempre aprende também quando chega a um futebol novo com estilo de jogo, e eu aprendi o que precisava para ganhar essa quantidade de jogos.

MOMENTO NA CARREIRA
– Vivo um momento muito bom na minha carreira porque deixei de ser um garoto, já com 31 anos. Mas tenho essa experiência que todo jogador gosta de ter. E fisicamente me sinto muito bem.

EXCESSO DE CARTÕES
– É como falam, eu vim de um outro futebol onde a resenha com o juiz é válida. Sofri muito em 2016, em 2017 tentei melhorar, acho que consegui. E para 2018 já quero dar uma melhorada para não ficar com tanto cartão por reclamação.

O BOTAFOGO EM 2018
– Botafogo está pronto para disputar uma boa Copa Sul-Americana, ficando novamente entre os grandes da América, porque teremos time, estrutura, e vamos fazer um trabalho muito bom por um título, começando com o Campeonato Estadual, e depois na Sul-Americana e no Brasileiro.

Fonte: SporTV.com